Mundo

ONU diz que jornalismo é essencial para neutralizar desinformação

Em um vídeo veiculado no Twitter, por ocasião do Dia Mundial da Liberdade de Imprensa, o mandatário defendeu o segmento

Agência Brasil

O secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU), António Guterres, afirmou hoje (3) que o jornalismo é essencial para ajudar a neutralizar os danos causados pelo que classifica como "pandemia da desinformação". Em um vídeo veiculado no Twitter, por ocasião do Dia Mundial da Liberdade de Imprensa, o mandatário defendeu o segmento, destacando-o como crucial para a tomada de "decisões fundamentadas", no âmbito do combate à covid-19. 

"À medida que o mundo luta contra a pandemia da covid-19, essas decisões podem fazer a diferença entre a vida e a morte", disse o representante da ONU.

Segundo Guterres, a desinformação generalizada tem abrangido "desde conselhos prejudiciais à saúde até ferozes teorias de conspiração". Ele avalia que, apesar das "notícias e análises verificadas, científicas e baseadas em fatos", que fazem com que a imprensa desempenhe um papel imprescindível na atualidade, os jornalistas têm sofrido cerceamento no exercício de suas funções. 

"Desde que a pandemia começou, muitos jornalistas estão sendo submetidos a mais restrições e punições, simplesmente por fazerem seu trabalho", pontuou.

Guterres dirigiu um chamamento às autoridades governamentais e à sociedade como um todo, fazendo um apelo para que garantam que a imprensa possa desenvolver suas atividades livremente. As medidas de isolamento social e quarentena, acrescentou, não devem ser usadas como pretexto para limitar o trabalho dos profissionais da categoria.

"Hoje, agradecemos à mídia por fornecer fatos e análises, por responsabilizar os líderes, em todos os setores, e por falar a verdade ao poder. Reconhecemos, particularmente, aqueles que estão desempenhando um papel que salva vidas ao dar relatos sobre a saúde pública. E apelamos aos governos para proteger os trabalhadores da mídia e fortalecer e manter a liberdade de imprensa, essencial para um futuro de paz, justiça e direitos humanos para todos", finalizou Guterres.