Mundo

Sem pernas, vovô planta 17 mil árvores e cria floresta 'para gerações futuras'

Plantio de árvores não é fácil, e o Sr. Ma sofreu ferimentos graves depois de cair em fendas profundas durante seus passeios

Agência O Globo
Um veterano de guerra que perdeu as duas pernas devido a uma doença passou quase duas décadas cultivando árvores em uma montanha outrora estéril. Ma Sanxiao, de 70 anos, plantou até agora mais de 17 mil árvores na cordilheira Taihang e geralmente passa o dia todo sozinho no deserto. Ele começou a criar a floresta, em 2000, como uma forma de ganhar dinheiro extra para sua família, que mora com ele na aldeia de Mayu, no condado de Jing, parte da província de Hebei, no norte da China.
De acordo com a China News, o Sr. Ma começa o seu dia às 5h da manhã e monta um tuk tuk desde a sua casa até à montanha. Uma vez que ele atinge a área onde ele quer plantar árvores, ele remove seus membros protéticos e se move em torno do chão de quatro. Ma teve envenenamento do sangue enquanto servia na província de Fujian em 1974, que depois piorou depois que ele deixou o Exército.
Foto: Reprodução
Sua perna direita foi amputada em 1985 e sua esquerda, em 2005. O plantio de árvores não é fácil, e o Sr. Ma sofreu ferimentos graves depois de cair em fendas profundas durante seus passeios. Uma vez, ambos os seus cotos foram esmagados e tiveram que ter placas de ferro encaixadas neles, enquanto outro incidente deixou um dos seus dedos infectados e teve que ser amputado. Mas o ex-soldado se descreve como um "lutador" e disse que não poderia "deitar na cama à espera de ajuda".
— Para mim, não são árvores. Eu considero (as árvores) como os soldados que comandei. Me fazem sentir muito satisfeito — disse ele. — Enquanto eu viver, vou continuar plantando árvores para as gerações futuras.
O governo chinês procurou fornecer assistência financeira ao Sr. Ma depois que sua história foi relatada pela primeira vez, em 2008. A publicidade também lhe trouxe companhia na forma de voluntários, que ajudam quando podem. Ma disse que agora continua a plantar árvores como um meio de "devolver a sociedade e agradecer ao governo por sua ajuda".