Mundo

Símbolo de resistência: conheça a história do movimento Black Power

Assunto foi pauta no BBB desta terça-feira, durante discurso de Tiago Leifert

Redação iBahia
- Atualizada em

Na noite desta terça-feira (6), toda enorme audiência do Big Brother Brasil parou para ouvir o discurso de Tiago Leifert. Mas não era um discurso de eliminação, tão aguardado por todos as noites de terças. Era muito mais importante. Um discurso sobre racismo, sobre ser antirracista e sempre o movimento Black Power.

A atitude do apresentador foi motivada por acontecimentos dos últimos dias na casa. No último sábado (4), Rodolffo disse que o cabelo black power de João se parecia com a peruca do homem das cavernas, utilizada no Castigo do Monstro. Incomodado e ofendido, João trouxe o assunto na noite de segunda-feira (5) durante o Jogo da Discórdia

Durante o discurso, Tiago explicou para Rodolffo a simbologia do cabelo de João e toda importância do movimento black power. Mas, em poucos minutos, não dá para entender toda a história de um símbolo de resistência.

Como Camilla de Lucas pontuou, após a fala do apresentador, é papel dos brancos estudar e se informar. Então, confira um resumo do que significa esse movimento.

Surgimento do nome

A história do black power começa em 1920, com um ativista jamaicano chamado Marcus Garvey. Na ocasião, ele questionava os processos de alisamento que homens e mulheres negras passavam para entrar em um padrão.

O termo black power, no entanto, só foi criado em 1966 por Stockley Carmichael, um ativista do movimento negro americano. 

Nesse período, o movimento negro nos Estados Unidos, tornou os fios volumosos e em formato arredondado em símbolo de luta e resistência. Nesse contexto, Carmichael afirmou que “o que vamos começar a dizer agora é poder negro”. Poder negro que, em inglês, significa black power.

Pantera Negra

Um dos grupos americanos que mais ressaltou a beleza e força do black power foram os Panteras Negras. Como uma das pautas do grupo era a aceitação da beleza negra, o cabelo não ficou de fora.

Angela Davis, ativista e integrante dos Panteras Negras, sempre ostentou seu black power desde a juventude. Davis é um dos principais nomes na luta pelo direito dos negros.