Mundo

Tatuador é condenado a prisão por ter retirado orelha de um cliente

Advogados do tatuador tentaram apelar para a Suprema Corte, afirmando que a decisão violava a "autonomia dos clientes"

Agência, O Globo
- Atualizada em

 O tatuador Brendan McCarthy, de 50 anos, foi condenado por tribunal de Wolverhampton (Inglaterra), a 3 anos e 4 meses de prisão por ter retirado uma orelha de um cliente em 2015, sem anestesia.

O processo se arrastou por dois anos, relatou o "Metro". A estratégia de defesa - Brendan tinha autorização por escrito do cliente - foi rebatida pelo juiz que cuida do caso. Advogados do tatuador tentaram apelar para a Suprema Corte, afirmando que a decisão violava a "autonomia dos clientes", mas o pedido foi negado. O magistrador ignorou, ainda, uma petição online com mais de 13 mil assinaturas que afirma que Brendan é "capacitado e higiênico" na sua atividade.


O magistrado Amjad Nawaz citou, na condenação, que Brendan, apelidado de Dr Evil (Doutor Mau), já vinha sendo processado por ter arrancado o mamilo de um cliente e ter feito uma fenda na língua de outro. Ambos os casos têm documentação que o autorizava a realizar os procedimentos, mas o juiz considerou que o trabalho de tatuador não tem relação à "modificação permanente de corpos".

Porém, para o juiz, a autorização não dá ao tatuador o direito de realizar um "procedimento médico" com "mutilação". Nawaz afirmou que Brendan se aproveitou de "problemas psicológicos" dos clientes.

Embora o magistrado tenha reconhecido que a remoção da orelha tenha sido "bem feita", ele ressaltou que uma pessoa não pode ferir uma outra por uma "boa razão".