Mundo

Últimos posts de brasileira morta no Chile com parentes exaltam família: 'Gratidão'

Bombeiros suspeitam que eles tenham se intoxicado com monóxido de carbono após um vazamento de gás no imóvel

Agência O Globo

Encontrada morta  com parentes em um apartamento de  Santiago , no Chile, a brasileira Débora Muniz Nascimento de Souza, de 38 anos, costumava declarar seu amor pela família nas redes sociais. Os últimos posts da catarinense expressavam amor, gratidão e união.

Foto: Reprodução/Redes Sociais
Ela, o marido, Fabiano de Souza, de 41 anos, e os dois filhos — Karoliny Nascimento de Souza, de 14, e Felipe Nascimento de Souza, de 13 — haviam viajado à capital chilena para celebrar o aniversário da adolescente, que completaria 15 anos nesta sexta-feira. Com eles, estavam Adriane Krueger, de 27, e Jonathas Nascimento Kruger, de 30, irmão de Débora e padrinho de Karoliny. Os bombeiros suspeitam que eles tenham se intoxicado com monóxido de carbono após um vazamento de gás no imóvel.

"Família. Amor. Gratidão", escreveu Débora em sua última postagem pública no Facebook, ao lado de uma foto com o marido e os filhos em uma das praias de Balneário Camboriú.
[
Nos comentários da publicação, usuários ressaltaram a beleza da foto e a "mensagem de união e luz" que ela passava. "Estão todos no paraíso celestial ao lado do Pai", destacou um internauta.

Já no Instagram, as últimas postagens de Débora celebram o Dia das Mães. Ela e a família fizeram camisetas especiais com os nomes das matriarcas do clã. Pouco antes de serem encontrados mortos, os turistas brasileiros planejavam o retorno ao Brasil, porque a mãe de Débora e Jonathas havia morrido na madrugada de quarta-feira.

"Um amor mais forte que tudo", postou Débora ao lado da mãe, Isabel, e do irmão Jonathas.

Ver essa foto no Instagram

Um amor mais forte que tudo♥️ #diadasmaes

Uma publicação compartilhada por Debora Muniz (@muniz8294) em


Na mesma data, ela publicou uma imagem com Karol e Felipe para declarar seu amor a eles.

"Eu amo amar vocês", ressaltou.

A última vez em que a família teve contato com as vítimas foi às 15h desta quarta-feira, quando Karol passou o endereço onde os seis ficariam hospedados. Os parentes se queixaram de mal-estar, e um familiar acionou o cônsul-adjunto brasileiro no Chile, que então foi ao apartamento com policiais. As janelas do imóvel estavam fechadas. Os bombeiros precisaram arrombar a porta, e lá encontraram os corpos.

A capital chilena teve seu dia mais frio neste outono, com temperaturas abaixo de zero grau, o que levou moradores a ligarem os sistemas de calefação.