‘Salvador tem um acolhimento muito forte na minha obra’, diz Geraldo Azevedo sobre gravação de DVD com Chico César, na Concha Acústica


Foto: Marcos Hermes

Dois grandes ícones da música brasileira se unem para o registro de um formato inédito na carreira de ambos, esse pode ser o resumo do projeto ‘Violivoz’ de Geraldo Azevedo e Chico César.

Os músicos decidiram juntar as bagagens musicais em uma turnê que culmina na gravação de um audiovisual na Concha Acústica do Teatro Castro Alves, em Salvador, no dia 3 de dezembro.

Em entrevista ao iBahia, Geraldo Azevedo falou sobre a relação com Chico César e contou novidades sobre a gravação do DVD na capital baiana.

“Eu conheci Chico Cesar na década de 90 ainda. Fui convidado para gravar uma música dele. Queriam que eu gravasse de voz e violão e eu disse ‘rapaz ele tem um violão muito especial e eu gosto desse violão, não dá pra ele tocar o violão e eu cantar?'”, iniciou o cantor.

Geraldo Azevedo e Chico César
Foto: Marcos Hermes

“Anos depois ele lançou o primeiro disco, com esse disco eu fiquei com um encantamento desse disco. E eu peguei uma caixa desse disco e saí divulgando”, completou Geraldo Azevedo sobre o início da relação com Chico.

O músico ainda revelou que a ideia de fazer um projeto juntos surgiu de uma viagem com Elba Ramalho nos Estados Unidos.

“Eu estava fazendo um show com Elba Ramalho em Los Angeles e ele estava lá e nós saímos depois desse show. Eu chamei ele pra gente fazer uma coisa juntos e ele também conhecia meu trabalho e a gente ficou sonhando em fazer uma coisa junto’, explicou.

Pausa na carreira

O projeto estava pronto antes da pandemia de Covid-19 mudar os rumos da cultura em 2020 e precisou ser adiado por conta do isolamento social.

“Antes da pandemia a gente já estava com esse show pronto, quando a gente ia lançar esse show veio a pandemia e atrasou tudo. A gente já queria fazer esse projeto e no finalzinho do segundo ano a gente lançou”, contou Geraldo Azevedo.

A gravação em Salvador contará com duas canções inéditas para o trabalho, composta pelos músicos especialmente para o projeto.

“A gente compôs duas canções em parceria que são as inéditas desse disco. Ele escolheu Salvador porque Salvador tem um acolhimento muito forte na minha obra, a gente tem essa coisa com a Bahia”, revelou.

Cheio de energia

Aos 77 anos e cheio de vitalidade, Geraldo ainda falou sobre o sentimento de estar em cima do palco cantando músicas que ultrapassam gerações.

“Quando eu tô no palco perco 7 anos de idade (risos) Hoje em dia em me sinto muito orgulhoso. O palco é uma coisa que dá muita energia, sabe? É a possibilidade de me comunicar com o público através dessas canções que foram consagradas por eles”, contou.

O desejo de cantar novas canções e o formato do novo show com Chico César, também foram apontados como catalisadores da energia necessária para conduzir a nova turnê.

“E a gente fica sonhando com essas canções novas que ficam emocionando as pessoas e passando de gerações em gerações. Tem canções minhas que eu canto há 50 anos e as pessoas ainda fazem questão”, explicou.

“Esse show tem uma particularidade de não ter banda, é só nós dois e violões. A gente mostra a música exatamente como a gente fez. Tem canções que eu fiz a muito tempo atrás e quando vou cantar com Chico César eu tenho uma nova leitura”, disse Geraldo, por fim.

SERVIÇO
O quê? Gravação de DVD – “Violivoz” com Geraldo Azevedo e Chico César
Quando? 03 de dezembro, às 19h
Onde? Concha Acústica do Teatro Castro Alves
Ingressos: Plateia – R$ 120 (inteira)/ R$ 60 (meia)
Camarote – R$ 200 (inteira)/ R$ 100 (meia)

Leia mais sobre Música no iBahia.com e siga o portal no Google Notícias.