Não aglomere, use máscara

Em meio à flexibilização das medidas restritivas, saiba porque não é hora de aglomerar

Distanciamento social, o uso de máscaras e a higienização das mãos continuam sendo uma das principais medidas de prevenção

Especial de Conteúdo
- Atualizada em

Oferecimento
Desde março, os baianos convivem com medidas de restrições que visam a redução da transmissão do novo coronavírus e, consequentemente, evitar o colapso no sistema de saúde. As medidas incluem a higienização das mãos, uso do álcool em gel a 70%, uso de máscara, medição de temperatura em estabelecimentos, toques de recolher em determinadas cidades, suspensão de transportes intermunicipais, entre outras. 

Agora, o Estado vive um momento de retomada das atividades cotidianas e econômicas, o que significa a reabertura de estabelecimentos comerciais, como shoppings, bares e restaurantes. No entanto, isso não significa que está liberado aglomerações. O distanciamento social, o uso de máscaras e a higienização das mãos continuam sendo uma das principais medidas de prevenção.

Em locais com aglomeração de pessoas, há maior risco de contaminação uma vez que a transmissão do vírus pode ocorrer através da tosse, espirro, gotículas de saliva e contato físico com uma pessoa infectada.

De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), a transmissão do novo coronavírus pode acontecer em locais pouco ventilados onde pessoas podem estar cantando, gritando ou conversando. Por isso, a organização recomenda manter a distância de 1,5 a 2 metros de outras pessoas, além da obrigatoriedade do uso de máscara.

Suspensão de eventos

Na Bahia, estão suspensos eventos e atividades com a presença de público superior a 100 pessoas, tais como: eventos desportivos, religiosos, shows, feiras, circos, eventos científicos, passeatas e afins, bem como aulas em academias de dança e ginástica.