Não aglomere, use máscara

Sem vacina, o distanciamento social continua sendo a principal recomendação contra a covid

Por isso, evitar aglomerações é essencial para manter-se em segurança

Especial de Conteúdo

Oferecimento
Oficialmente, o primeiro caso de Covid-19 no Brasil foi confirmado no final de fevereiro. Na Bahia, desde meados de março, a população convive com medidas restritivas, fechamento de estabelecimentos comerciais, cancelamentos de eventos, visando o controle da pandemia e a preservação do sistema de saúde. 

Agora, como retorno das atividades cotidianas e do comércio, as pessoas podem ter a falsa sensação de que as coisas voltaram ao normal e que a pandemia acabou. No entanto, as recomendações de cuidados permanecem as mesmas. 

Enquanto não houver vacina, é preciso reforçar que a flexibilização não significa que tudo está liberado. Aglomerações devem ser evitadas, sejam festas, cultos religiosos, eventos, entre outros. 

Ao  sair de casa, opte sempre por ambientes abertos e ventilados e pouco movimentados, praticando sempre o distanciamento social, utilizando máscaras de proteção e mantendo a higienização das mãos.

Com muitos centros de atividades de lazer e comércio abertos, muito se questiona o que oferece maior ou menor risco de infecção. De um modo geral, ambientes fechados, com uma maior quantidade de pessoas interagindo, são os que têm maior risco de transmissão. Enquanto que ambientes abertos, arejados e ventilados, como parques e praças públicas, têm menos riscos. 

Nos estabelecimentos comerciais, como shoppings, bares e restaurantes há um número máximo de clientes por estabelecimento, para que o distanciamento social seja respeitado. No entanto, independentemente dessas medidas, cada um deve fazer sua parte mantendo distância em filas, por exemplo, utilizando máscara e higienizando as mãos.