Nem Te Conto

Ator que fez Cabeção em 'Malhação' nega reabilitação e cárcere privado; entenda caso

Artista afirma que estava de férias no interior do Rio, mas seu nome consta no boletim de ocorrência

Redação iBahia (redacao@portalibahia.com.br)
- Atualizada em

O ator Sérgio Hondjakoff, conhecido por interpretar o personagem 'Cabeção', negou que teria sido mantido em cárcere privado em uma clínica para dependentes químicos. Nesta quinta-feira (5), diversos veículos de imprensa divulgaram que o ator era um dos 46 internos que sofria maus tratos em uma clínica de reabilitação no interior de São Paulo.

"Vim desmentir mais um boato que saiu na internet dizendo que eu estaria internado em uma clínica, em cárcere privado. Não, mentira, eu tô aqui com a minha mãe em Resende, estou curtindo essas férias de inverno", disse o ator em vídeo publicado no Instagram.

Na filmagem, Sérgio aparece em meio à natureza. O intérprete de Cabeção ainda contou que foi visitar a avó, que já está bem idosa. "Quando essa pandemia passar, espero revê-los nas telinhas, nos telões... 'Tamo' junto, galera", finalizou.

O cárcere privado

A notícia de que o artista teria sido resgatado em uma clínica de reabilitação em Pindamonhangaba foi divulgada na tarde desta quinta-feira (5) pelo G1. Apesar do ator ter negado a história, o portal afirma que o nome completo dele consta no boletim de ocorrência registrado na Polícia Civil. 

A clínica em questão foi fechada em uma ação do Ministério Público na última quarta (4), após denúncias de cárcere privado. Segundo as investigações, os 46 internos eram mantidos em cárcere privado em seus quartos. Eles não podiam deixar os dormitórios, não tinham acesso às chaves e as ligações da família eram controladas pelos donos da clínica. 

Além disso, os internos afirmaram ter tido que pagar uma taxa extra para receber a vacina contra a covid-19 e a polícia encontrou medicamentos sem prescrição médica. Os donos da clínica irão responder por sequestro.

Com o fechamento do local, os pacientes foram transferidos para outras clínicas de reabilitação ou psiquiátricas. No caso de Sérgio Hondjakoff, a informação apurada pelo G1 é de que ele teria ficado sob cuidados da assistência social da prefeitura de Pindamonhangaba até a chegada de familiares.