Nem Te Conto

Brunna revela quais são os looks que Ludmilla prefere: 'Quanto mais pelada, melhor'

Brunna Gonçalves e Ludmilla estão juntas há mais de sete meses, mas só em junho decidiram tornar público o namoro

Agência O Globo

Brunna Gonçalves e Ludmilla estão juntas há mais de sete meses, mas só em junho decidiram tornar público o namoro. Desde então, a bailarina de 27 anos que “chegou chegando” e bagunçou o coração de Lud acumula números expressivos em suas redes sociais. Decidida a investir na carreira de influenciadora digital, a dançarina alcançou marcos de visualizações que ultrapassam até mesmo os de vídeos de lançamentos musicais recentes da funkeira, de 24 anos. Só no bate-papo em que convida a namorada a falar sobre o namoro, a blogueira alcançou quatro milhões de views, o dobro do vídeo de abertura do DVD “Hello mundo”, publicizado pela chefe em maio. Num curto período, a ascensão midiática também proporcionou à nilopolitana reconhecimento e aplausos de celebridades como Alice Wegmann e Sabrina Sato, já que, ao lado da cantora, Brunna virou símbolo LGBTQ+ por enfrentar o conservadorismo de parte do público e conquistou fãs ao celebrar o amor com outra mulher.

Foto: Reprodução/Instagram
— Eu nunca tive medo de assumir nosso namoro. O que existia era uma preocupação com a carreira dela, não sabíamos como as pessoas iriam reagir, o que iam falar sobre o trabalho... Graças a Deus, o retorno foi “mil por cento” positivo — alivia Brunna.

A dona de um perfil no Instagram com mais de um milhão de seguidores dá mais indícios de que vive um momento de realização: as carreiras de bailarina e de geradora de conteúdo para as redes sociais vão de vento em popa. Como Brunna trilha um rumo de influencer no mundo fashion, entre as fotos mais curtidas, bombam as de looks decotados e provocantes. Por isso, neste editorial de moda, a dançarina usa peças que poderiam estar no figurino de seus shows ou entre as escolhidas para eventos e posts: minissaias. Ela explica:

— Adoro uma roupa curta!

E o ciúme que Lud andou declarando ter, Brunna? Ele chega até as roupas?

— Nããããão! Ela ama que eu use roupa justa, decotada... Para ela, quanto mais pelada, melhor (risos). Digo que tenho mais motivo para sentir ciúme, porque ela é uma artista que o Brasil inteiro conhece, o assédio é bem maior. Mas ela não me dá motivo para eu me sentir insegura. A gente se respeita muito. Ela fica mais mexida quando alguém gesticula ou fica olhando muito nos shows. Só que eu danço olhando para o fundo. Pouca coisa me chama atenção quando estou trabalhando.
Foto: Reprodução
Durante os meses em que disfarçavam o relacionamento, Brunna viveu situações curiosas, como momentos em que outras pessoas tentavam flertar com a namorada ao seu lado:

— Famosos já deram em cima dela na minha frente. Natural. Elas não sabiam, né? Hoje em dia, a gente pode dizer: “Ela é minha namorada”. Fora isso, temos demonstrações públicas de carinho, mas não é “aquela coisa”. Nada de indecências nas ruas. Não entendo quando alguém vem me dizer que estamos nos expondo. Há tanto tempo queríamos mostrar nosso amor. Agora que podemos, vamos esconder?

A curiosidade que os seguidores têm sobre o relacionamento acabou fazendo com que as duas trouxessem à tona na web uma enxurrada de informações para saciá-los: como foi o Dia dos Namorados, o sexo mais inusitado (num jet-ski).... Ainda assim, apesar de a artista ser Ludmilla e o público focar no namoro, Brunna tem uma trajetória profissional com muitas nuances. Moradora da Baixada, foi descoberta por uma coreógrafa aos 15 anos e passou a fazer parte de uma academia de dança de Nilópolis. Poucos anos depois, fez parte de comissões de frente como a da escola de samba Inocentes de Belford Roxo, do Rio. Aos 19 anos, a jovem decidiu dar um novo passo na carreira.
Foto: Reprodução
— Fiz o teste, passei e trabalhei por quase dois anos no Ringling Brothers Circus (um dos concorrentes mundiais do Cirque du Soleil), nos EUA. Como as turnês eram a cada semana numa cidade, não tinha moradia fixa. Praticamente morava dentro de um trem. Passei por situações inusitadas: vimos de longe o Furação Sandy se formar (o fenômeno atingiu a costa leste americana, em 2012). Era uma vida diferente. Voltei ao Brasil porque estava morrendo de saudade da família — confessa.


Aqui, Brunna reviu pai, mãe e irmão, mas não esquentou o ninho. Um ano depois, partiu para a Europa e dançou em transatlânticos da rota Suécia-Finlândia. O retorno ao país aconteceu em 2016, quando fez contato com o coreógrafo de Ludmilla. Meses após começar o trabalho com a cantora, vieram as primeiras ficadas. E a modelo deste editorial sustenta que namorar a patroa não mudou seu status no balé:

— Não sei das estratégias musicais, de gravações, parcerias, nada. A produção é que me informa tudo.

A única novidade que a bailarina conheceu em primeira mão foi a canção escrita por Lud para ela:

— Ela me mostrou informalmente, por áudio de celular, uma música nova. Não sei se já tem nome, se ela pensa em gravar. Trocamos anel de compromisso recentemente, mas planos de morar juntas agora, não temos. Talvez bem mais para frente. Uma das minhas prioridades é morar sozinha. Mas, como ninguém namora pensando em terminar, queremos, sim, casar e ter uma família.