Nem Te Conto

Débora Nascimento se emociona ao lembrar de amiga que morreu com anorexia

Atriz confessou que também ficou doente na época em que era modelo

Redação iBahia (variedades@portalibahia.com.br)

A atriz Débora Nascimento foi entrevistada para o programa 'Vai Fernandinha', que vai ao ar na sexta-feira (16). Durante o bate-papo com Fernanda Souza, a global ficou profundamente emocionada ao relembrar o início de sua carreira como modelo e as dificuldades que enfrentou para conseguir se manter magra. Ao citar a morte de uma amiga que sofria de anorexia, Débora não conseguiu segurar as lágrimas.

"Tem menina que engole algodão, que toma detergente. Uma amiga minha faleceu de anorexia. Eu lembro que a encontrei uma vez e falei: 'Nossa, como você emagreceu!'. O assunto era como você fez para estar tão magra? Era sempre isso. Ela dizia: 'Quanto mais magra fui ficando, mais rica e conhecida fui ficando, mais foco eu fui tendo'. É um ciclo viciante. Ela faleceu, foi notícia. É muito difícil, gente. Você fica magra e pega trabalho e as pessoas estão perdendo a noção", disse ela.

Foto: Reprodução/Multishow

Débora confessou que sofreu muita pressão das agências de modelo para manter o corpo magro e que chegou a se 'alimentar' de muita água para perder o apetite durante o jantar: "Eles já tinham me falado: 'Você tem que emagrecer, porque o seu quadril é 91. Não tá rolando'. Eu tinha 15 anos, era jeca. Lembro que me enchi de água, fui comendo devagarzinho porque estava morrendo de fome e não poderia comer. Chegou a sobremesa e eu queria uma colherada apenas. Isso naquela mesa com 30 meninas magras e promissoras. Peguei a colher, veio o moço da agência e tirou da minha mão na frente de todo mundo: 'Você não pode, você tem que emagrecer'".

A artista disse ainda que chegou a ficar com anorexia também. "Hoje eu sei o quanto foi escroto. Por isso que eu comecei a desmaiar, ficar sem comer. Minha mãe me salvou quando viu que eu estava definhando. Foi quando ela me salvou da anorexia", contou. Fernanda Souza não conteve as lágrimas e desabafou: "Quando é que eles vão parar? Tá chato. Você viveu isso e foi induzida a perder essa noção. Pelo amor de Deus, gente! Por que não pode ter roupas maiores? Por que a roupa só pode caber na mulher que é um pau? A gente não é assim!".