Nem Te Conto

Ex-atriz mirim celebra 1º mês do filho após cesárea de emergência

A atriz, de 24 anos, foi submetida a uma cesariana de emergência e o bebê nasceu prematuro

Patrícia Kogut, da Agência O Globo
- Atualizada em

Na última segunda-feira, 4, Thávyne Ferrari comemorou o primeiro mês de seu filho, Henrique, fruto do relacionamento com o estudante Danilo Espindola. A atriz, de 24 anos, foi submetida a uma cesariana de emergência e o bebê nasceu prematuro.

- Ficamos um pouco preocupados com a questão do peso. Teoricamente, ele só poderia ter alta do hospital depois que estivesse com 2kg. Mas, quando chegou a 1,9 kg, a médica liberou, porque ele estava mamando muito bem e rejeitando a fórmula. Só queria o meu leite. Agora já passou do peso, superando as expectativas. Foi impressionante a melhora dele depois que veio para casa, um alívio - conta ela, que se tornou conhecida aos 10 anos como a boneca Patty Pop do "Sítio do Picapau Amarelo" e esteve também nas novelas "Três irmãs" (2008) e "Amor à vida" (2013).


Thávyne levou um susto ao descobrir que teria que fazer um parto de emergência devido a uma pré-eclâmpsia, doença específica da gravidez que causa hipertensão: - Foi de repente. Eu tinha acabado de completar 34 semanas e estava em casa. Senti uma dor no estômago, mas achei que não deveria me preocupar. Durante a madrugada, não aguentei mais a dor e fui para o hospital. Lá, descobri que minha pressão estava muito alta e fui diagnosticada com pré-eclâmpsia. A ideia era ficar internada até completar o tempo ideal de gestação, fazendo exames diariamente. Quando ele estava com 35 semanas, fui avisada de que teria de fazer o parto no mesmo dia. Meu marido estava longe e foi correndo quando soube. Quase não deu tempo. Minha mãe já estava preparada para entrar na sala quando ele chegou.

Por causa do problema com a pressão arterial, a atriz precisou ficar longe de Henrique em seus primeiros momentos de vida: - Não me deixaram vê-lo enquanto a pressão não baixasse. Como eu estava muito nervosa, demorou um pouco. Ele nasceu às 17h e só consegui ver às 3h. Bem sofrido. Depois, ele passou dez dias internado e rolou outra choradeira. Mas a recuperação foi ótima, rapidinho o Henrique saiu do soro e aprendeu a mamar.

A pressão de Thávyne se normalizou e ela também se recuperou das dores que sentiu no quadril durante a gravidez e que chegaram a impedi-la de andar: - Ainda fiquei controlando a pressão durante um tempo por precaução. Agora, já não estou nem tomando os remédios. Me sinto muito bem. E as dores do quadril melhoraram bastante. Às vezes, sinto pontadas, mas, segundo a médica, é normal.

A atriz conta que já se adaptou à nova rotina com o bebê: - Está sendo supergostoso e muito diferente do que eu imaginava. Achei que precisaria de muita ajuda, porque meu marido trabalha e estuda. Mas fiquei bem. O Henrique é bonzinho, só chora mesmo quando está com cólica ou fome.