Nem Te Conto

Ex de Naldo relata agressões em 15 anos de casamento: 'Foi gradativo até virar um trauma'

Branka Silva tem um filho com o funkeiro, Pablo Jorge, de 19 anos

Agência O Globo

Mãe de Pablo Jorge, de 19 anos, filho mais velho de Naldo Benny, Branka Silva conversou com o jornal 'Extra' nesta terça-feira (12) e falou do comportamento agressivo do cantor. Ela revelou que foi agredida fisicamente algumas vezes pelo ex-marido durante o casamento que durou 15 anos. 

(Reprodução: Divulgação)

As brigas, segundo a ex-mulher, eram sempre motivadas por ciúme. Branka ainda classificou como "corajosa" a atitude de Moranguinho em procurar a polícia para denunciar o marido.

Você que teve um relacionamento com o Naldo, algum momento ele te agrediu ou tentou? Quantas vezes e como foi?
Sim, fui agredida por ele verbal e fisicamente algumas vezes durante o casamento. Foram 15 anos juntos. Não consigo precisar a quantidade, foi gradativo até de fato virar algo traumático, acontece devagar, e quando me dei conta, já haviam passado anos...

Você chegou a denunciá-lo alguma vez?
Cheguei a ir à delegacia com meu filho ainda pequeno, uma vez, porém, retirei a queixa.
Quais eram os motivos da brigas?
O motivo sempre era ciúme. Ele sempre foi muito ciumento durante o nosso casamento.
(Reprodução: Arquivo Pessoal)
Vocês têm um filho juntos. Como é a relação de vocês hoje?
Não temos relação, a partir do momento que exigi meus direitos judicialmente, nós cortamos totalmente qualquer contato.
Seu filho chegou a presenciar alguma briga?
Infelizmente sim.
O que você achou da denúncia da Moranguinho?
Corajosa.

Que recado você mandaria para as mulheres que passam por essa mesma situação?
Que não se deixem dominar numa relação, em nenhum ponto da vida, pessoalmente, moralmente, profissionalmente. Lutem para serem sempre independentes, que se bastem, se amem antes de amarem qualquer um. Me pronuncio também para que mulheres que vivam isso que vivi, e agora a Ellen, (Cardoso, atual mulher de Naldo) também viveu, tenham coragem de denunciar, ou pedir ajuda de quem as ama para sair dessa situação, uma situação inadmissível, que nenhuma mulher merece viver, nenhum ser humano merece viver numa prisão, numa relação abusiva, que se inspirem e retomem as rédeas das suas vidas com dignidade, seja vendendo paçoca ou dirigindo num aplicativo, mas resignada e honrada sempre.