Nem Te Conto

Ex-ginasta Lais Souza divulga data de casamento com Paula Alencar

De acordo com o Gshow, casal sobe ao altar ano que vem e as duas dirão sim diante de testemunhas à beira-mar

Redação iBahia (redacao@portalibahia.com.br)
- Atualizada em

A ex-ginasta Lais Souza e Paula Alencar dirão sim no dia 25 de janeiro de 2020. De acordo com o Gshow, as duas subirão ao altar diante de testemunhas à beira-mar. 

Foto: Reprodução | Instagram

Cinco anos após o acidente de esqui que a deixou tetraplégica, nos Estados Unidos, a estudante está desfrutando a nova fase, a começar pela casa em Vila Velha (ES), para onde se mudou com Paula em busca de qualidade de vida, na companhia de outras duas grandes paixões, o cachorro Skank e o gato Baguera.

"Passei pelas duas fases: a de ter muita facilidade e, de repente, me ver sem nada. Agora estou tentando me descobrir de outras formas. O mais importante foi encontrar o amor verdadeiro. Me sinto mais segura e forte porque o acidente me derrubou muito, sabe? E Paula foi me ajudando a resgatar o que eu tinha perdido. Tinha muitos medos, até de usar determinadas roupas. Hoje, nem ligo. Uso shortinho, biquíni... Quero mais é curtir", afirmou Lais.

De acordo com a ex-atleta, as duas não tem nenhuma vontade de chamar atenção da mídia: "não pretendo fazer um supercasamento. Minha intenção é chamar as pessoas que amam o casal mesmo, em um lugar rústico, sem salto alto. É descalço ou de chinelinho, em uma bela praia (no Espírito Santo)".

Ainda na entrevista ao Gshow, Lais confirma sua vontade de aumentar a família com a sua companheira: "já tem um bom tempo que eu tenho vontade de ter filhos e Paula me deu mais vontade ainda pela mulher que é. Isso ficou mais forte agora. Acho que, dentro dos próximos dois anos, vamos ter filhos. Pode ser adoção, inseminação artificial, o que vier e o que for possível. Provavelmente o primeiro virá da barriga, o segundo e o terceiro serão adotados".

A ex-ginasta ainda revela que aprendeu muito com tudo que aconteceu, e que valoriza ainda mais a sua vida após o acidente. "Me levanto (através do equipamento chamado ortowalk) e isso melhora minha pressão arterial. Não movimento nada ainda, mas esse pequeno acontecimento já me abre um leque gigante para eu sentir minha liberdade. Ficando em pé, consigo olhar nos olhos das pessoas. Estando lá embaixo, sentada (na cadeira de rodas), parece que não prestam tanto atenção".