Nem Te Conto

Ex-Panicat revela humilhações que passava nos bastidores do 'Pânico'

Ela contou que chegou a ficar internada por conta das coisas que aconteciam no programa

Redação iBahia (variedades@portalibahia.com.br)
- Atualizada em

A ex-panicat Carol Dias fez revelações surpreendentes sobre o período em fez parte do 'Pânico'. Em entrevista ao 'Notícias da TV', ela contou que foi xingada e chamada de gorda por uma das diretoras da atração.

"Vou ao psiquiatra e tomo remédio até hoje. Ela começou a gritar comigo, dizendo que eu estava gorda. Foi em 2016, na frente das minhas amigas. Eu tinha engordado um pouco. Mas acho que ela poderia, com delicadeza, me chamar num canto e me falar. O Emílio Surita nunca me chamou a atenção para nada e sempre me elogiava. As meninas [ex-panicats] ficaram chocadas na época com essa diretora", relembra.


Carol disse que chegou a ficar internada durante quinze dias por conta da situação: "[Ela] veio falando que eu estava gorda, cheia de celulite e que precisava me cuidar. Isso me magoou muito. Minha saúde psicológica foi por água abaixo. Quando voltei ao programa, muitos não tiveram a menor consideração e me ignoraram".

A ex-panicat ainda contou que o momento mais complicado foi quando colocaram ela para apresentar um dos quadros do programa. "Criaram o reality Largadas e Peladas, e me colocaram como apresentadora. Isso foi a gota d’água para mim. Vi as outras panicats sendo obrigadas a ficarem completamente nuas, participando de brincadeiras sem sentido e sendo humilhadas. Fiquei quatro dias e pedi demissão do programa em setembro do ano passado. Era um quadro de baixo nível e eu estava fazendo aquilo contra o meu coração, pois estavam tratando aquelas mulheres como objetos", revelou.

Carol disse que, por conta do que passou, deu a volta por cima e hoje se vê de outra forma: "me ressignifiquei e trabalho como coach de autoestima, justamente porque eu quero que as mulheres se sintam mais felizes e capazes, porque no Pânico eu não me sentia capaz. Eu sou master em PNL (programação neurolinguística), e a gente precisa entender que autoestima é tudo. Eu ajudo a elevar a beleza interna, para que as mulheres se sintam felizes e que entendam que a beleza é um conjunto de coisas da sua mente".