Nem Te Conto

Felipe Neto explica motivo de cobrar posição de influenciadores

'Silêncio já não é mais uma opção', afirmou youtuber, que classificou impeachment de Dilma, em 2016, como 'golpe'

Redação iBahia (variedades@portalibahia.com.br)

O youtuber Felipe Neto participou do programa 'Roda Viva', que foi ao ar na noite da segunda-feira (18). Durante o bate-papo, ele explicou o motivo de cobrar posição dos influenciadores sobre as polêmicas envolvendo o presidente Jair Bolsonaro.


"Quando a gente lida com a opressão que a gente está lidando hoje não é mais uma questão de lado. A minha cobrança aos outros influenciadores teve como gatilho o momento em que Bolsonaro começa a opressão de fato, sob vários aspectos. É um absurdo que alguém ainda se cale diante de tudo. O silêncio já não é mais uma opção. Demorou para eu ter feito aquele vídeo. Já não dá mais para ficar calado. Qualquer pessoa que fique calada já é conivente com o que está acontecendo. Eu não me arrependo nem um pouco. Mais pessoas precisam dar eco a essa cobrança para que influenciadores e comunicadores comecem a perceber a responsabilidade que traz atingir tanta gente", disse ele, que chegou a parar de seguir artistas como Ivete Sangalo, Marina Ruy Barbosa e a cantora Simaria.

Ele ainda deixou claro ter se arrependido de ter apoiado o o impeachment de Dilma Rousseff (PT) em 2016, o qual classificou como “golpe”. "Faço mea culpa sem problema algum. Um defeito que eu não tenho é o de teimosia. Errei muito no passado, aprendi muito desses erros. Não sou adorador de um projeto petista, mas no momento do impeachment a minha colaboração, embora não fosse comparável ao alcance de hoje, sem dúvida foi utilizada a maneira errada, equivocada, por falta de leitura, estudo. Passei os últimos 4 anos tentando corrigir esse erro e usando minha força pra afastar essa opressão que vemos hoje", analisou.

Felipe afirmou não ter interesse em cargo político e lembrou as ameaças de morte que sofreu: "recebi ameaças de morte, minha mãe recebeu ameaças de morte por minha causa. Ainda é um assunto sensível, tivemos que tirar minha mãe do Brasil e isso é inacreditável. A gente não pode olhar para o que está acontecendo, toda violência, opressão, tentativa de silenciar a imprensa, calar a democracia, e ser tolerante. Isso não é um lado".