Nem Te Conto

Fernanda Montenegro sobre governo Bolsonaro: 'É pior que a ditadura'

A atriz ainda falou sobre ser apenas a nona mulher a ocupar uma cadeira na Academia Brasileira de Letras

Redação iBahia (redacao@portalibahia.com.br)

Aos 92 anos, Fernanda Montenegro foi eleita para a Academia Brasileira de Letras e concedeu entrevista ao “Fantástico” para falar sobre o assunto, bem como, atualidades. Sem papas na língua, a atriz criticou o governo Bolsonaro e disse que a gestão é pior do que o período da ditadura militar.

"É pior [do que a ditadura], porque veio pelo voto, então há uma organização política por trás, tradicional, que opta por essa calamidade e por essa tragédia. Em todo governo de força, a primeira coisa é estrangular a cultura das artes, porque é um onde o país existe com a assinatura e com a opção de um futuro", revelou para a repórter Sônia Bridi.


A veterana ainda lembrou da época em que recusou o convite, do então presidente, José Sarney, para ocupar o cargo de ministra da Cultura. Ela escreveu uma carta onde dizia “pobre do país cujo governo despreza, hostiliza e fere seus artistas. Esse Brasil acabou”. No último domingo (7), ela se corrigiu.

"Esse Brasil não acabou. Nós estamos numa hora trágica, mas vai acabar. Uma hora acaba. O Brasil comprovou que não é possível ter reeleição, foi comprovado que a reeleição exige compra, venda e aluguel do poder político. Esse homem [Bolsonaro] não está no poder da noite para o dia", disse.

Fernanda Montenegro ainda falou sobre ser apenas a nona mulher a ocupar uma cadeira na Academia Brasileira de Letras. "Se tem representantes nas áreas médicas, de Direito e de Sociologia lá dentro, por que não mulheres? E também de qualquer raça. Há necessidade de uma presença das personalidades negras lá dentro", pontuou.