Nem Te Conto

'Fiquei seis meses no fundo do poço', revela Xuxa

Ex-nadador revela que meditação o ajudou

Redação iBahia (variedades@portalibahia.com.br)

O ex-nadador Fernando Scherer, o Xuxa, enfrentou um momento difícil e encontrou na meditação e outros pontos a fuga para se curar. Em entrevista à revista 'Quem', ele revelou que tudo começou em 2007, quando se aposentou de vez da Natação, o que o fez se sentir sem rumo. 

"Minha identidade era ser nadador. Quando me aposentei perdi essa identidade e questionamentos como ‘quem sou eu?’ e ‘por que estou aqui?’ me levaram a uma depressão bem profunda. Fiquei seis meses no fundo do poço e sem vontade de viver. Ficava em casa sem fazer, nada, bebendo um monte, não me via em lugar algum… Olhei para as minhas duas tatuagens e elas diziam muito sobre esse momento. Uma delas era ‘Enquanto durar a paixão, que dure a vida’, praticamente um pensamento suicida. Estava morrendo tudo dentro me mim", contou.



Xuxa começou a ter consciência dos gatilhos e buscar conhecimento para entender esse novo momento, estudou neurociência, terapia holística, auto hipnose, física quântica e outros meios de lidar consigo mesmo. “Comecei a me aceitar por completo com o meu lado bom e lado ruim, sem julgamentos e a entender o meu verdadeiro propósito de vida. Quando passei a ter empatia e compaixão por mim mesmo, aprendi o verdadeiro sentido da palavra amar e comecei a amar o próximo. A vida ficou plena. Não me importo com os acontecimentos ao meu redor, me importo com o meu interior”, explicou ele, que depois de anos conseguiu abrir mão do sentimento de culpa que carregava por não ter sido um pai tão presente na infância da primogênita, a atriz Isabella Scherer, de 24 anos, fruto de seu primeiro casamento.  

“Em novembro, durante uma meditação, me vi mais velho e comecei a pensar nos meus arrependimentos. A única coisa que sentia era a culpa de não ter sido o pai que queria ser para a Isabella quando ela era mais nova. Liguei para ela e falei que estava me libertando daquele sentimento de culpa. Ela me liberou. Eu achava que quem sentia a maior falta era ela e quem sofreu esse anos todos fui eu. A minha relação com ela virou de amor e não culpa", explicou.