Nem Te Conto

Giovana Ewbank conta como foram os dias longe de Bruno Gagliasso

Casal ficou dois meses separados após suposta traição do ator

Da Redação
- Atualizada em
Giovana Ewbank resolveu abrir o coração para a reportagem da revista Glamour nesta semana, para falar sobre os dias que ficou longe de Bruno Gagliasso e como deu a volta por cima. Para quem não lembra, o ator foi apontado como o possível pai da filha da modelo Carol Francischini. Ele confessou a possibilidade, mas a paternidade só poderia ser confirmada ou não quando o bebê nascesse, o que aconteceu em dezembro: Bruno não é o pai do bebê.

“Quando me separei, o baque foi grande, fiquei sem chão, sem forças. Como seria ter de arrancar do meu peito, da noite para o dia, todo aquele amor? Não sabia o que fazer nem o que pensar. Não queria ver ninguém além da minha família. Meus pais, que são de São Paulo, estão casados há 30 anos e continuam mega-apaixonados, vieram ao Rio com meu irmão Luca, de 22 anos, para ficar uns dias, me apoiar. Na época estava fazendo um curso de preparação de atores na Rede Globo, que durava apenas um mês, mas era muito intenso, todos os dias das 9h às 19h. Quando tudo veio à tona, não tive forças e faltei um dia. Minha família foi muito, muito importante nessa hora", explica a atriz.

A loira também falou sobre a decisão de voltar para o amado e perdoar o que ele fez:

“Ficamos dois meses separados e foi um sofrimento horrível, principalmente nas primeiras semanas. Mas pude colocar várias coisas em perspectiva. Descobri que perfeição não existe, nem príncipe, nem princesa, nem castelo. Conversamos e percebemos que o sofrimento ali era recíproco. Sofríamos por tudo o que estava acontecendo e sofríamos ainda mais pela distância um do outro. Queríamos passar por tudo aquilo juntos, apesar de todas as dificuldades. Resolvemos reatar e virar a página. Nos comprometemos a nos perdoar. Tudo isso nos fez ver o quanto temos certeza do nosso amor. Sabemos bem o que queremos. Foi uma separação inesperada e súbita, que nos fez repensar tudo e escolher mais uma vez a união”.