Nem Te Conto

Lázaro Ramos lamenta morte da tia-avó: 'Minha dinda, minha mãe'

"Quero um dia chegar aos pés da pessoa que a senhora foi", escreveu o ator sobre Elenita, que tinha 97 anos

Redação iBahia (redacao@portalibahia.com.br)

Lázaro Ramos lamentou na noite desta terça-feira (14) a morte da tia-avó Elenita, aos 97 anos. O ator a chamava de Dindinha e contou que ela o criou. 

"Ela partiu. Meu eixo. Meu esteio. E o eixo de toda a nossa família. 97 anos vividos da maneira mais generosa e alegre que eu pude conhecer. Dindinha foi pro Orum. Não consigo escrever mais que isso hoje", escreveu Lázaro no Instagram.

"As lágrimas não secam. As lembranças pulam e a vontade de agradecer a ela por tudo o que inspirou na nossa família é o que nos cabe. Obrigado minha ancestral Elenita Sá Barreto santos. Minha dinda. Minha mãe. Quero lembrar da senhora assim. Sorrindo, fazendo empada ou Caruaru e sempre com algo sábio ou bom pra oferecer. Quero um dia chegar aos pés da pessoa que a senhora foi", acrescentou.

Em 2017, Elenita foi a pessoa escolhida por Lázaro para subir ao palco com ele para receber a premiação da revista QG. Na ocasião, o ator reforçou a ligação de que tinha com a "Dindinha". ""Esta mulher criou 19 crianças na casa dela. Nunca teve filho de sangue, mas de coração. Tenho muito orgulho de ser filho dela. O meu livro conta essa luta por sobrevivência mas, acima de tudo, a luta pelo direito ao afeto. O livro é sobre afeto, não sobre racismo", disse.