Nem Te Conto

Luana Piovani desabafa sobre decisão de anulação de processo de Dado

Desembargador atendeu ao pedido da defesa do ator de nulidade da ação

Da Editoria Gente & Variedades
- Atualizada em

Luana fez um desabafo na tarde desta sexta-feira (05). A atriz mostra claramente ter ficado insatisfeita com a decisão da justiça, porém diz que a maternidade lhe ensinou a ser mais tolerante.


"O bom da vida é ter filho... Aprender através dele, que mais nada importa senão ele! Perante a vida, eu faço minha parte mas não vou mudar o mundo, ninguém vai... O mundo é que muda a gente. Apesar de odiar: injustiça, explicar o óbvio e que descumpram o combinado, aprendi a tolerar a rotina medíocre do 'manda quem pode e obedece quem tem juízo'. Daí, quando vem aquela vontade louca de gritar e 'pedir chega!', pondero: Ele tem saúde! Eu também! Fo.. o resto", disse a atriz.


Dado Dolabella também recorreu à rede social para comemorar a anulação de condenação por agressão no processo aberto por Luana Piovani. O ator escreveu na rede social: "O mal voltando de onde saiu".


A 7ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça do Rio (TJ-RJ) entendeu que o 1º Juizado da Violência Doméstica e Familiar não tem competência para julgar a denúncia de agressão baseada na Lei Maria da Penha (nº 11.340/2006).


A defesa de Dado Dolabella havia entrado com embargos infringentes (recurso contra acórdãos que não tiveram votação unânime) e de nulidade alegando a incompetência do Juizado para julgar o mérito da ação. O relator do acórdão, desembargador Sidney Rosa da Silva, atendeu ao pedido.


Em sua decisão, o magistrado ressaltou que a regra se aplica “pelo binômio 'hipossuficiência' e 'vulnerabilidade', em que se apresenta culturalmente o gênero mulher no conceito familiar, que inclui relações diversas movidas por afetividade ou afinidade”.


Ainda segundo o desembargador, é “público e notório que a indicada vítima (Luana Piovani) nunca foi uma mulher oprimida ou subjugada aos caprichos do homem”. Com a decisão, a sentença aplicada pelo 1º Juizado foi anulada e os autos processuais foram remetidos à 27ª Vara Criminal da Capital, para que profira outra sentença.


Dado teria agredido Luana em outubro de 2008 durante uma discussão em uma boate na zona sul do Rio. A camareira da atriz, Esmeralda Souza, também foi empurrada por Dado ao tentar separar o ex-casal.