Nem Te Conto

Ludmilla cobra cachê para cantar em parada gay no Rio

No evento, o combinado era que ela cantasse apenas oito músicas

Agência O Globo
- Atualizada em

Não foi só para defender a causa que Ludmilla subiu no trio na semana passada, em Copacabana, para abrir a Parada LGBT. A cantora recebeu um cachê para marcar presença no evento, que reuniu cerca de 600 mil pessoas na orla. O valor pago não foi o que ela cobra para seus shows, já que a apresentação não foi integral: no evento, o combinado era que ela cantasse apenas oito músicas.

Apesar de ter chegado com duas horas de atraso, a cantora foi bem recebida pelos presentes e chegou a afirmar que o movimento é necessário para que haja mais respeito com os gays. Ela, que tem trocado com frequência o aplique dos cabelos, usou na parada gay os fios rosa e um look todo metalizado e justo.

Ludmilla tem identificação com o público LGBT e, por isso, foi a estrela da reinauguração da boate The Week, no Rio, em 2014. Na época, ela disse que sua relação com os gays é a melhor.