Nem Te Conto

Marjorie Estiano fala sobre o 'choque' com a morte do pai

Atriz também comentou que acha difícil ficar nua em cena

Patrícia Kogut, da Agência O Globo
- Atualizada em

Marjorie Estiano deu uma entrevista à empresária Naná Karabachian, no canal dela no YouTube "Hora da Naná". A atriz falou sobre a morte do pai, em agosto:

- Foi um choque para mim. Ele ia fazer uma cirurgia cardíaca. Coração a gente sempre acha que é delicado, que existe um risco. Eu falei com ele um pouco antes. Acabou a cirurgia, ele tinha ido para o quarto, estava tudo bem. Na noite do pós-cirúrgico, teve uma parada e faleceu. Tenho altos e baixos. É recente. Você fica pensando o que deixou de fazer, o que poderia ter feito, se aquela pessoa foi feliz ou não. Tento lidar com naturalidade em relação às perdas. E fico muito feliz de ter convivido com aquelas pessoas ou de ter vivido determinada coisa. Isso faz eu me sentir tão privilegiada. Sendo breve ou um período mais longo, acho que fico feliz de ter tido aquela pessoa por um tempo.


A atriz, protagonista da série "Sob pressão", criticou ainda a forma como algumas pessoas enxergam sua profissão: - Eu não me sinto confortável quando me colocam de alguma forma mais importante que outras pessoas. Meu ofício é tão importante quanto o de qualquer um. E nossa profissão é exaltada de uma maneira a ganhar um destaque. Eu acho desonesto não ser assim com tantas outras profissões que também têm tanta coisa linda para a gente ver, que são tão nobres, tão emocionantes. Tem tanta gente incrível. Estudando para a personagem que eu estou fazendo, uma médica, fiquei encantada com algumas pessoas que conheci dentro dessa profissão.

Marjorie também explicou sobre a maneira como lida com as sequências de nudez: - Em cena, nu tem que ter sentido para mim. Não pode ser gratuito. Tem que dizer alguma coisa. Não pode ser uma simples exploração da nudez por audiência ou para satisfazer um desejo estético. Tem que ter um porquê em relação àquela personagem e àquela cena. Dentro disso, não tenho muita restrição. Gosto de sentir confiança. Não é simples. Não tiro a roupa com facilidade. Para mim, é importante sentir confiança no diretor, na equipe e no ator para que eu possa me sentir à vontade para fazer meu trabalho com respeito.

Sobre a relação com as artes, a atriz contou que sempre gostou de atuar e cantar: - Mas nunca me senti à vontade em público. Eu gostava de cantar e atuar para mim. Porque era gostoso para mim, me dava uma sensação boa, me sentia bem naquele lugar. Não pensava muito em quem estava assistindo. Isso foi uma transição muito importante para mim, de olhar para quem está assistindo e oferecer essa sensação que eu estou tendo para eles também.