Nem Te Conto

Marjorie Estiano vive médica de hospital caótico em filme que vai virar série na Globo

Na trama, a equipe médica precisa tomar decisões importantes diante de três baleados em um tiroteio

Agência O Globo

Se há uma opinião unânime acerca de “Sob pressão” é a de que o filme — que estreia amanhã — definitivamente não dá sono. Produção dirigida por Andrucha Waddington, a película lança luz à péssima qualidade do sistema público de saúde do país, num retrato eletrizante de um dia conturbado num hospital carioca: na trama, a equipe médica interpretada por Júlio Andrade, Marjorie Estiano e Ícaro Silva precisa tomar decisões importantes diante de três baleados em um tiroteio — um policial, um traficante e uma criança. No cenário catastrófico, a situação torna-se ainda mais dramática quando cada escolha é embalada por julgamentos alheios: como agir, então? 

— O filme levanta questionamentos morais e éticos, num contexto cheio de lacuna. Quem é vítima? Todos: o bandido, o policial, o médico... Ninguém tem amparo. Então, qual seria o critério? Atender quem estiver em pior estado? Numa situação de emergência, me parece uma alternativa — afirma Marjorie, que gravou as cenas em um centro cirúrgico desativado: — Aquele lugar era um buraco negro! Parecia que tínhamos caído, sem nunca chegar no chão.

Nos bastidores, as dificuldades — como uma maca emperrada na porta — foram enfrentadas com gargalhadas: “Não fosse o humor, inverteríamos o papel de médico para paciente”, frisa Marjorie, que voltará ao posto de médica no próximo ano, já que a produção vai virar série da Globo:

— O filme me permitiu uma reflexão sobre que lugar eu ocupo, o que eu faço por mim e pelos outros. Acho que o mundo está em curto-circuito. O lado positivo disso é que é melhor lidar com algo que se apresenta explicitamente.