Nem Te Conto

'Mulher ainda é muito sexualizada', dispara Kelly Key após polêmica com look justo

Cantora também fala sobre relação com os filhos e com o marido: 'respeito'

Gilberto Júnior, da Agência O Globo
- Atualizada em

Parece que foi ontem que Kelly Key despontou na indústria fonográfica com o single "Baba", seu primeiro grande sucesso. Era 2001 e a cantora tinha apenas 18 anos. O tempo passou e hoje a carioca ampliou seu horizonte. A música segue como sua grande paixão, mas ela também é uma potência nas redes sociais (são 7 milhões de seguidores somente no Instagram) e anda envolvida com moda. Kelly, inclusive, acaba de lançar uma coleção fitness em parceria com o Honey Be, maior e-commerce do segmento no Brasil. "Fiz a seleção dos looks e sugeri as cores da linha. Fiz questão que as peças ficassem bem em qualquer tipo de corpo. Quero vestir a mulher real", conta.

Foto: Reprodução | Instagram 

Para promover o trabalho, a cantora assumiu sua porção modelo e vem compartilhando na internet as fotos do projeto. Na quarta-feira, um dos cliques movimentou o mundo virtual. Na imagem, Kelly está com um macacão justo, considerado "vulgar" por algumas pessoas por "marcar demais a silhueta”. Os comentários são impublicáveis. "Um pingo de tinta virou uma mancha enorme. Infelizmente, a mulher ainda é muito sexualizada", diz. "Mas preciso informar que o look esgotou depois da polêmica."


Virada aos 30

Aos 36, a cantora afirma que está em sua melhor fase. Sente-se confortável em sua própria pele e mais bonita do que nunca. “Mudei completamente meus hábitos quando completei 30 anos. Essa idade foi um divisor de águas. Passei a malhar forte e repensei minha alimentação. Antigamente, coisas verdes não entravam no meu prato. Achava que era capim. Hoje, depois de um período mais radical, não faço nenhum tipo de dieta. Mas tudo é moderado. Fui reeducada.”

Kelly cita Bella Falconi, a musa fitness, como sua inspiração. “Foi a primeira pessoa desse universo que passei a acompanhar no Instagram. Depois, viramos amigas”, destaca. “Não me sinto pressionado a ter o corpo perfeito. O que eu faço é compartilhar saúde entre meus seguidores. A matemática é uma só: alimentação legal e treino é igual físico saudável”, acrescenta.

Filha é melhor amiga

Mãe de Suzanna, de 18 anos, Jaime Vitor, de 14, e Artur, de 2, a cantora diz que os filhos são maravilhosos. “Realmente, não tenho queixas. A Suzanna (o cantor Latino é o pai biológico da menina) é um pouco minha mãe. Aprendo tanto com ela. Somos melhores amigas. Agora, quer ser atriz. Está estudando para isso. O Vitor é o menos conhecido do trio. Detesta aparecer. Não gosta de fotos e vídeos”, entrega Kelly, casada com o empresário angolano Mico Freitas. “Ao todo, estamos juntos há quase duas décadas. Nosso relacionamento é baseado no respeito. Claro que precisamos abrir mão de algumas coisas em prol de um bem maior, que é a nossa união. No entanto, ninguém sai lesado. Os problemas que surgem pelo caminho nos fortalece.”

Morando no Rio com a família — e visitando Angola e Portugal anualmente —, Kelly agora vive a expectativa do lançamento do seu próximo álbum. A previsão é que o disco chegue ao mercado em novembro. “Estamos só analisando o jeito mais interessante de disponibilizar o material. Está prontinho. Não posso adiantar o conteúdo para não estragar a surpresa, mas tenho participações de outros músicos interessantes. Será meu primeiro grande trabalho na era dos streaming. Ansiosa para ver a reação do público.”