Nem Te Conto

'Não sou prostituta virtual', dispara Perlla

Cantora foi acusada pelo ex-marido de vender conteúdo para aplicativo acusado de pornografia

Redação iBahia (redacao@portalibahia.com.br)
- Atualizada em


Perlla decidiu quebrar o silêncio sobre as acusações que tem recebido do ex-marido. Na manhã desta quinta-feira (3), a cantora realizou uma live nas redes sociais em que negou realizar "prostituição virtual", conforme foi dito por Cássio Castilhol em uma entrevista concedida ao canal de Bruno de Simões no Youtube.

"Sou uma mulher independente, trabalho pra caramba, faço muito publipost. Todas as marcas que eu posto é porque eu recebo um cachê. Não trabalho só com Bigo Live, também trabalho como influenciadora. Não sou prostituta. Trabalho como influenciadora nesse aplicativo e aqui (Instagram)", começou Perlla.



A cantora não se pronunciou sobre um suposto print divulgado por Cássio, em que ela estaria negociando com um cliente, mas também defendeu o trabalho que realiza no aplicado como algo sério. "O aplicativo não pode ter decote. Se eu entrar com decote é chamado ban. E se a gente leva ban perde a conta por 10 anos. O aplicativo é muito sério. É chinês e é o aplicativo número um em rendimentos. Esse aplicativo já tirou várias pessoas da depressão. É para pessoas que querem se comunicar, querem atenção. No meu caso, da Valesca (Popozuda), do Créu (DJ), a gente dança e canta, o Créu toca, outras meninas conversam, outras dançam, cantam, fazem maquiagem. [...] Se tiver alguma coisa que seja pornográfica, pedofilia, tabagismo, arma branca ou arma qualquer, o aplicativo abomina, não pode", argumentou.