Nem Te Conto

'Nossos amigos apelidaram Madalena de Rolezeira', diz Bruno Gissoni sobre a filha

Menina, de 2 anos, vai viajar de Kombi com os pais pelo Brasil por até quatro meses

Eduardo Vanini, de Agência O Globo

Em meio a caixas e malas amontoadas na sala do apartamento de Bruno Gissoni e Yanna Lavigne, na tarde da última segunda-feira, uma chorosa Madalena não queria se desgrudar dos pais.

Foto: Reprodução | Instagram
O casal de atores chegara, naquela manhã, de uma viagem de dez dias pela Itália sem a filha de 2 anos, e ela temia que toda aquela movimentação antecedesse mais uma dessas jornadas. Mal sabia Madalena que, no dia seguinte, pai, mãe e filha embarcariam numa das maiores aventuras de suas vidas: uma viagem de Kombi pelo Brasil, que pode durar até quatro meses.

“Primeiro, vamos a Nova Friburgo, onde dormimos no Parque do Desengano e, depois, partimos para o Pico da Bandeira e seguimos até Caraíva, na Bahia, passando pelo Espírito Santo”, resume Bruno, sobre a primeira parte da viagem, prevista para durar um mês, com paradas em 15 cidades. Terminada essa etapa, a ideia é subir até o Maranhão e, em seguida, rumar para o Centro-Oeste, voltando ao Rio por Minas Gerais. “O barato é não ter um roteiro engessado. Não sabemos onde o projeto vai nos levar”, finaliza ele.

Apaixonado por viagens, o casal resolveu embarcar nessa aventura há cerca de quatro meses, aproveitando as deixas em suas respectivas agendas profissionais e o fato de a filha ainda não frequentar a escola. A menina, aliás, deve tirar de letra a maratona. “Ela viaja conosco desde os primeiros meses. Nossos amigos a apelidaram de Madalena Rolezeira ”, comenta o pai.

O foco da road trip vai muito além de um mero álbum de família, ainda que seja toda compartilhada pelas redes sociais. Bruno e Yanna estão em busca de histórias e experiências que possam encher de inspiração os feeds de seus seguidores.


Escolas alternativas, agricultura sustentável e aldeias indígenas estão entre os pontos a serem visitados. “Abrimos o Google Maps e demos um zoom em cada lugar que achamos interessante”, conta Yanna. “Depois de ver as belezas naturais, pesquisamos sobre personagens com histórias e propostas de vida interessantes para entrevistarmos.”

Para dar conta da alta quilometragem, a Kombi, que pertencia a uma igreja e era usada para o transporte de fiéis, passou por uma recauchutagem geral. Ganhou ar-condicionado, fogão, geladeira e banheiro. Mas a família não vai passar todas as noites ali, dormindo em instalações mais confortáveis sempre que possível.

Na bagagem, cada um está levando apenas uma mala, e a expectativa é de que algumas coisas fiquem pelo caminho, como livros e roupas que possam ser doados. “Estamos em busca de afeto, desapego e viver apenas com o essencial. E o que de fato é essencial? Vamos descobrir agora”, planeja Yanna.