Nem Te Conto

'O modelo da família do comercial de margarina não existe', diz Rafa Brites

Repórter falou sobre casamento, maternidade, críticas e novo programa

Patrícia Kogut, da Agência O Globo
- Atualizada em

Foto: Paulo Belote/Globo
Rafa Brites surgirá de bandana e piercing no umbigo no palco de "Os melhores anos das nossas vidas" para defender os anos 2000. Na edição desta quinta-feira, 18, ela enfrentará Marcos Veras, que representará a década de 1960. A atração, comandada por Lázaro Ramos, é uma disputa entre cinco décadas. Além de Rafa e Veras, também participam Marco Luque (1970), Lúcio Mauro Filho (1980) e Ingrid Guimarães (1990). Rafa não considera uma vantagem ter ficado encarregada do período mais recente.

- Acho que as pessoas têm lembranças de todas essas décadas. Mesmo aquelas que não viveram em determinado período vão se recordar do que estudaram. O programa é uma viagem pela História e traz uma memória afetiva muito gostosa. 

A concorrência dos times vai além da gravação do programa. Em um grupo no WhatsApp, os apresentadores trocam mensagens defendendo suas décadas e fazem brincadeiras: - A gente se diverte muito. Todos são ligados à comédias. Preciso ser perspicaz para sobreviver no meio dessa galera e ter jogo de cintura. Estar num time como esse me deixa lisonjeada. São pessoas que admiro muito profissionalmente. 

Além do trabalho na televisão, Rafa, formada em Administração, dá palestras sobre liderança: - Acho que podemos encarar até as dificuldades de forma positiva. Sou muito otimista. Você não vai me ver reclamando, acordando de mau humor. Pensei no que tenho de melhor para oferecer ao mundo e fui trabalhar essa questão.

Os acontecimentos felizes de sua vida, aliás, são sempre compartilhados com 1,5 milhão de seguidores no Instagram. E os momentos mais delicados também não ficam de fora. Alguns exemplos são os desabafos sobre maternidade (ela é mãe de Rocco, de 1 ano e 8 meses) e amamentação: - Durante muito tempo, os formadores de opinião tinham a necessidade de mostrar força e vigor e escondiam as fraquezas. Hoje, as redes sociais aproximam as pessoas. Quando eu digo que foi difícil amamentar ou quando uma atriz afirma que não se sentiu bonita grávida, o público se identifica. Costumam me dizer: 'Rafa, como você é acessível'. Acho que é porque eu não me levo muito a sério. Nem mesmo em relação à aparência. Se me falarem no programa: 'Vamos pintar o dente de preto', eu faço. 


Recentemente, a apresentadora foi alvo de críticas quando surgiu com os cabelos bem curtos: - Eu respeito as opiniões. Quando convido uma pessoa para me acompanhar, é um convite para fazer parte da minha vida. Como toda relação, não há só o bônus, mas o ônus também. As cobranças e as críticas vão existir. Eu não me importo com elas desde que sejam feitas com educação. Eu acho uma ilusão querer compartilhar sua vida e só receber elogios. 

Sobre seu relacionamento com o jornalista Felipe Andreoli (foto abaixo), Rafa diz que vive "um casamento feliz": - Eu tenho problemas como todo mundo, mas não me apego a eles. Se não gostei de algo, ele pede desculpa. Está desculpado e acabou. A flexibilidade em um relacionamento tem mais valor do que essa família tradicional. O modelo da família do comercial de margarina não existe. Quem tem a expectativa dessa família vai se desiludir.