Nem Te Conto

"Racismo se combate com amor e Justiça", diz Bruno Gagliasso após comentários racistas sobre filha

O ator disse ainda que espera que sua denúncia sirva para combater os ataques racistas e sirva de exemplo para todos

Agência O Globo
- Atualizada em

O ator Bruno Gagliasso esteve nesta quarta-feira na Delegacia de Repressão a Crimes de Informática (DRCI), na Cidade da Polícia, Zona Norte do Rio, para prestar queixa contra os comentários racistas direcionados à filha adotiva, Titi, de 3 anos. A menina foi atacada com mensagens preconceituosas no Instagram da mãe, na semana passada, por um usuário cujo perfil já foi excluído. 

Após ser ouvido pela delegada, Bruno conversou com os jornalistas e declarou que espera que os autores dos ataques sejam punidos.

"Racismo se combate com amor e Justiça. E é por isso que eu estou aqui, para ir atrás de quem fez. Eu tenho cem por cento de certeza que a polícia vai achar, e que eles vão pagar pelo que fizeram", disse ele. "Esse não foi o primeiro, mas espero que seja o último. Quem fez isso vai ter que pagar. Isso é muito sério, isso é crime. Quem fez tem que pagar. Os responsáveis têm que ser punido".

O ator disse ainda que espera que sua denúncia sirva para combater os ataques racistas e sirva de exemplo para todos.

"É uma situação chata. Como ser humano e pai, eu fico muito triste. É por isso que eu estou aqui cobrando Justiça, para que as pessoas possam aprender. Que isso sirva de exemplo para o mundo. Se eu posso fazer alguma coisa, eu vou fazer. O mais importante é que achem e prendam, se tiver que prender. Minha filha ainda não entende o que aconteceu, é muito pequena ainda, mas mais tarde ela vai entende, e é por isso que eu estou aqui".

Polícia investiga dois perfis suspeitos

A delegada Daniela Terra também falou com os jornalistas e disse que a polícia está investigando dois perfis suspeitos como sendo os autores dos ataques. Ela informou ainda que o caso foi registrado como injúria e racismo.

"Esses criminosos serão identificados, eles se utilizam da internet como subterfúgios, acreditando que estão passando despercebidos por estarem fazendo uso das redes sociais, mas não estão. Não adianta apagar o perfil e os comentários. A Polícia Civil tem tecnologia suficiente pra identificar esses criminosos, que serão punidos ao rigor da lei. No caso específico, eles vão responder pela injúria qualificada e pelo crime de racismo, previsto na lei de Racismo, artigo 22. A pena é de inclusão de um a quatro anos. Nesse caso, nós temos dois perfis a identificar e estamos investigando", disse ela.