Nem Te Conto

Sergio Guizé diz que mãe chorou com cenas de Gael na trama das 21h

Sobre a redenção do personagem, o ator defende que Gael merece uma segunda chance

Patrícia Kogut, da Agência O Globo

No ar como Gael em "O outro lado do paraíso", Sergio Guizé posou para a edição de abril da revista "Claudia". Em entrevista à publicação, o ator falou sobre o desafio de viver o personagem da novela de Walcyr Carrasco. Na trama, o rapaz agrediu Clara (Bianca Bin) e outras namoradas e chegou a ser preso. Agora, tenta se redimir.

- Desde a preparação, sabia que o papel seria difícil. E o interpreto com verdade. Foi um trabalho de concentração em que beirei o neurótico - conta ele, revelando que sua mãe, a pedagoga Cleide, de 57 anos, chorava quando via as cenas de Gael violento. - Que mulher gosta de ver o filho batendo na esposa? Nenhuma.


O ator ressalta a importância da denúncia em casos de violência doméstica: - É a maior arma. Tem que meter a colher mesmo. Qualquer movimento para legitimar os direitos das mulheres e o respeito aos limites do corpo delas é válido.

Sobre a redenção do personagem, o ator defende que Gael merece uma segunda chance: - Sei que é difícil defendê-lo, mas Gael foi preso e penalizado. Acredito na sua redenção. Vai se reeducar e virar um homem de bem. Para Guizé, seu maior exemplo de vida foi a avó: - Ela era analfabeta e teve 16 filhos. Oito morreram. Minha avó não tinha dentes, mas falava com o coração. Com sabedoria me ensinou a olhar as coisas pelo lado lúdico.

O ator, que namorou durante dois anos a atriz Nathalia Dill depois de conhecê-la nos bastidores de "Alto astral", está sendo apontado como namorado de Bianca Bin, seu par romântico na história das 21h. Perguntado sobre o fato de se apaixonar por colegas de elenco, ele nega que isso seja um padrão: - Isso não é verdade! Se fosse assim, teria namorado a Débora Nascimento (de "Êta mundo bom!") ou a Cleo Pires (do longa "Terapia do medo").

O ator revela que pensa em ser pai: - Antes pensava em como vamos sobreviver à bomba atômica que é este mundo, à poluição sonora e visual, à violência. Mas quero ter filhos.