Nem Te Conto

Thiago Gagliasso fala de governo e diz: 'Espero que Bruno e Giovanna venham visitar'

Em meio aos ataques que vem recebendo na web, ele deu uma entrevista durante o horário de almoço do seu novo posto de trabalho

Agência O Globo

Thiago Gagliasso foi da alegria da nomeação para a comissão de assistente da Superintendência de Artes da Secretária de estado de Cultura e Economia Criativa ao caos em meio às críticas quando o EXTRA publicou a justificativa do órgão que citava também o número de seguidores do ator nas redes sociais.

Foto: Reprodução | Instagram

Em meio aos ataques que vem recebendo na web, ele deu uma entrevista durante o horário de almoço do seu novo posto de trabalho.

Orgulhoso ao exibir seu crachá de funcionário da Secretaria de Cultura, pendurado em uma corda de um camarote da Sapucaí, Thiago responde às perguntas com calma e até ri ao ler as críticas que recebeu pelas redes sociais. Com a Lei de Incentivo à Cultura do estado do Rio decorada, Thiago diz a todo momento que quer levar empresas privadas a investirem em projetos culturais pelo estado. E, inclusive, diz que seu irmão Bruno Gagliasso e a cunhada Giovanna Ewbank são bem-vindos na Secretaria. Thiago brigou com o casal no final do ano passado após declarar apoio ao então candidato à Presidência Jair Bolsonaro.

"Essa briga ficou no passado. Ele seguiu a vida dele e eu a minha. Desejo o bem dele, assim como tenho certeza que ele deseja o meu. Ele é bem-vindo aqui na Secretaria. O Bruno é uma pessoa que a Secretaria está de portas abertas, Espero que Bruno e Giovanna venham visitar a gente. Ele é uma pessoa que tem um viés cultural maravilhoso. Mas o Bruno e a Giovanna não me procuraram para me apoiar em meio às críticas e nem parabenizar pelo cargo. Bruno, especificamente, e todo grande ator é super bem-vindo aqui para somar com a Cultura", desabafa Thiago.

Thiago faz questão de dizer que "não tem mamata nenhuma" no posto que ocupa na Secretaria e trabalha de segunda a sexta-feira das 9h às 19h e brinca até dizendo que gravaria todos os dias onde ele está. Acostumado com críticas nas redes sociais onde já foi acusado por viver à sombra do irmão famoso, ele diz que conhecia o secretário de Cultura do Rio Ruan Lira. Mas que um dos fatores da sua nomeação foi a peça "Um quase Gagliasso":

"Uma coisa legal que me trouxe até aqui também é meu projeto "Evolução", formamos 18 atores na comunidade de Nilópolis através de uma parceria com a escola Beija-flor que é uma agremiação que tem um viés cultural muito grande e é uma coisa que eu pretendo trazer para a Secretaria. Eu produzi e coloquei em cartaz o espetáculo com recursos próprios, assim, quero trazer empresas para levar cultura para todos os cidadãos fluminenses".

Porém, ele nega que tenha sido escolhido pelo número de seguidores. Como a Secretaria citou em nota oficial:

"'Ah, ele está com seguidor por isso está aí', longe disso, queremos usar uma comunicação mais direta e transparente possível com nosso povo. Seguidor é uma consequência. Com a expertise que eu tenho das redes sociais, estou trazendo para a Secretaria a comunicação direta em benefício da população fluminense que pode agora diretamente do meu Instagram e outras redes sociais comunicar projetos".

Defensor do investimento privado, Thiago diz que é a favor da Lei Rouanet mas contra como a forma que a norma foi utilizada em governos anteriores:

"A lei Rouanet nunca foi criticada e sim a forma como ela foi utilizada. É uma lei que leva cultura para muitas pessoas mas recebeu críticas por beneficiar só um grupo de pessoas. Qualquer lei de incentivo a cultura é maravilhosa, mas a forma que você aplica isso é que faz a diferença. Aqui no Rio quero incentivar as empresas privadas a patrocinarem a produção cultural utilizando o incentivo fiscal concedido pelo Estado".