Famosos e amigos lamentam morte de atriz de 'Ó Paí, Ó'


Érico Brás, Márcio Meirelles e Lyu Arison lamentaram a morte da atriz Auristela Sá

Manhã de tristeza para o teatro baiano. Isso porque, na madrugada desta terça-feira (12), a atriz Auristela Sá – do Bando de Teatro Olodum, não resistiu ao tratamento contra um câncer no pulmão e veio a falecer nesta madrugada. Para quem não se lembra, um dos papeis mais conhecidos da atriz foi no filme ‘O Paí, Ó’, em que ela interpretou Carmem, irmã da personagem vivida por Dira Paes.

Ao saber da notícia, amigos e colegas de trabalho da baiana lamentaram o ocorrido e relembraram situações vividas com ela ao longo de sua trajetória. A exemplo da atriz Tânia Tôko, que atualmente integra o elenco de ‘Malhação’, mas também fez parte do Bando ao lado de Auristela.

Auristela Sá tinha 44 anos e estava fazendo tratamento contra um câncer no estômago

“As lembranças mais fortes que tenho de Auristela são as de quando ela entrou no grupo. E já fazia parte neste período, ficamos amigas e eu sempre dormia na residência universitária onde ela morava, no Canela, depois dos ensaios do bando. Pela manhã ela acordava mais cedo e pegava café e pão para nós duas, senão acabava logo”, comentou Tânia.

A intérprete de Neuzão no filme ‘O Paí, Ó’ declarou ainda: “Foram momentos especiais, que ficaram ao longo desses anos marcados em meu coração. Uma mulher vencedora, que agora habita num outro plano de luz certamente”.

“Ela dava sangue no teatro”, diz Lyu Arison

Outro ator que dividiu cena com Auristela foi Lyu Arison, que também lamentou a morte da colega de profissão. “Soube logo quando cheguei aqui em Salvador. Ela teve uma recaída muito forte. Todo mundo do Bando foi visitar ela. Quero ter a imagem dela com um sorriso no rosto. Não queria ver uma colega de trabalho na cama de hospital sofrendo por essa doença. Ficamos tristes com a notícia. Uma boa colega, uma boa atriz. Vai mais uma estrela no mundo da arte”, disse.

A baiana ficou nacionalmente conhecida no filme ‘O Paí, Ó’

Lyu aproveitou para fazer uma sugestão aos dirigentes do Bando: “Deveria fazer uma homenagem para ela. Ela dava sangue no teatro. Deveria voltar o ‘O Paí, Ó’. Ela gostava tanto de fazer”.

Sobre o enterro da amiga, que acontecerá na tarde desta quarta, em Alagoinhas, o ator disse que não poderá estar presente. “Estarei no Balé Folclórico da Bahia”, explicou.

O diretor do Bando de Teatro Olodum, Márcio Meirelles, preferiu comentar sobre a morte de Auristela em sua página no Facebook.

“Ela se foi desta como quem sai de cena e n volta pros aplausos. Q são muitos por tudo q ela fez enquanto esteve entre nós (sic)”, escreveu

Assim como Márcio, o grupo de percussão baiano Ilê Ayê também falou sobre a situação através da rede social. “A Bahia perdeu uma das suas maiores estrelas! A Família llê está muito triste com a passagem de Auristela e se solidariza com seus familiares e com o Bando De Teatro Olodum. Axé”, postou.

Pouco antes de entrar nos estúdios para gravar a minissérie ‘Entre Tapas & Beijos’, o ator Érico Brás, que interpretou o taxista Reginaldo em ‘O Paí, Ó, conversou com o iBahia e falou sobre o sentimento que fica com a perda da colega. “Até agora não caiu a ficha. É difícil porque além de colega ela era minha amiga pessoal. É sempre doloroso. Não sabemos a hora, mas está difícil de acreditar”, pontuou.

Ela integrava o elenco do Bando de Teatro Olodum

Érico lembrou de alguns meses atrás, quando esteve em Salvador e passou no hospital para visitar Auristela. “Ela alegre, companheira amiga, tinha um carisma e simplicidade. Uma pessoal genial. Visitei ela antes do carnaval. Estava com vontade de ficar vivendo, mas não resistiu. Quando entrei no bando foi ela quem me recebeu, fizemos muitos trabalhos juntos”, afirmou.

O baiano ressaltou ainda a importância da atriz no teatro baiano. “O Bando tem mulheres negras e cidadãs. Perder Auristela que era uma peça principal para o grupo é um buraco que se abre. Com certeza o teatro baiano perde muito com isso”.

O Teatro Vila Velha divulgou uma nota em seu site lamentado a morte da atriz. Na publicação, a coordenadora da companhia, Chica Carelli, comentou sobre o ocorrido.

“É lastimável. Ela era uma atriz de grande talento. Uma perda muito grande para todo teatro baiano. Ela era fundamental na estrutura organizacional do Bando, tanto como atriz quanto produtora”, disse.

O velório acontece até às 16h30 desta terça, no Lar Franciscano. O enterro será no Cemitério da Saudade, às 17h, ambos no município de Alagoinhas.