Nem Te Conto

Farpas virtuais: Tom Zé rejeita elogio de Caetano

Um mensagem postada no blog pessoal de Caetano Veloso, na última sexta-feira (21), gerou uma troca de farpas virtuais entre ele e outro cantor baiano, Tom Zé. Após elogiar e adjetivar o disco de Tom Zé, Estudando a Bossa, como ‘muito legal’ e ‘muito ele mesmo’, Caetano chegou a afirmar que, diferentemente dele, de Gilberto Gil, de Gal Costa e da torcida do Bahia, Tom Zé nunca foi um bossanovista. A resposta de Tom Zé foi rápida. O cantor postou no mesmo dia, também em seu blog pessoal, uma depoimento direto e nada amigável. Ele escreveu: “Não, Caetano. Não posso aceitar. Agora estou irremediavelmente desertado e não posso mais voltar para o colo do grupo baiano. Você sabe que seus braços são preciosos e irresistíveis, mas não posso ir comemorar neles este disco, nem com você”, disse. O autor de […]


26/11/2008 às 14h38

3 min de leitura

Um mensagem postada no blog pessoal de Caetano Veloso, na última sexta-feira (21), gerou uma troca de farpas virtuais entre ele e outro cantor baiano, Tom Zé.

Após elogiar e adjetivar o disco de Tom Zé, Estudando a Bossa, como ‘muito legal’ e ‘muito ele mesmo’, Caetano chegou a afirmar que, diferentemente dele, de Gilberto Gil, de Gal Costa e da torcida do Bahia, Tom Zé nunca foi um bossanovista.

A resposta de Tom Zé foi rápida. O cantor postou no mesmo dia, também em seu blog pessoal, uma depoimento direto e nada amigável. Ele escreveu: “Não, Caetano. Não posso aceitar. Agora estou irremediavelmente desertado e não posso mais voltar para o colo do grupo baiano. Você sabe que seus braços são preciosos e irresistíveis, mas não posso ir comemorar neles este disco, nem com você”, disse.

O autor de Xique-Xique disse ainda que, durante todos estes anos, os integrantes do “grupo baiano” o teriam separado do que era dele, “enquanto gozavam todo o prestígio e privilégios, talvez como ninguém mais neste país analfabeto”.

Tom Zé agradeceu pessoas como João Araújo, pai de Cazuza, que segundo ele, chegou a lhe mandar dinheiro escondido nos tempos em que esteve afastado dos principais palcos da música brasileira. Ele ainda revelou outros nomes como Lauro Léllis, Milton Belmudes e Charles Furlan, que de 1982 a 84, ficavam com ele durante a madrugada, no estúdio, ‘resolvendo encrencas’. ‘Tenho obrigação de comemorar com eles qualquer resultado mais positivo nesta vida’, afirmou.

Segundo a coluna de Monica Bergamo, publicada pela Folha, Tom Zé ainda teria gritado ‘Caetaaaanooo, vai tomar no…’,  durante show no Auditório Ibirapuera, em São Paulo, no último (23).

Caetano, por sua vez, colocou panos quentes com uma reposta, no mínimo, cortês. ‘Eu não sou o grupo baiano. Eu sou eu. E você não precisa recusar um abraço meu para ser grato a quem o ajudou. Eu gosto de você. Não precisamos desses surtos de ressentimento’, disse em declaração à Folha de São Paulo.