Nem Te Conto

Léo Kret arrasa no Fusuê

Nesta quinta-feira (09), a dançarina e “vereadora” eleita Léo Kret participou do Fusuê,  programa mais irreverente da Bahia FM. Por conta do assédio a convidada chegou ao estúdio da rádio com 26 minutos de atraso. Sob comando do jornalista Marrom e os radialistas Maurício Habib e Mario Tito, o Fusuê começou com a seguinte enquete: “Você acha que Léo Kret deve mudar seu estilo para se apresentar na câmara?” Sempre simpática e sorridente, a dançarina conseguiu agregar quase 20 pessoas no estúdio durante o animado bate-papo. Ela pousava para fotos e distribuía autógrafos para todos que acompanhavam a entrevista. Falou abertamente sobre política, parada gay e assuntos pessoais. “Meu coração está ocupado com o povo que me elegeu”, brincou o vereador que foi eleito com mais de 12 mil votos e ficou em quarto lugar entre os mais bem votados. […]


09/10/2008 às 15h56

2 min de leitura

Nesta quinta-feira (09), a dançarina e “vereadora” eleita Léo Kret participou do Fusuê,  programa mais irreverente da Bahia FM. Por conta do assédio a convidada chegou ao estúdio da rádio com 26 minutos de atraso. Sob comando do jornalista Marrom e os radialistas Maurício Habib e Mario Tito, o Fusuê começou com a seguinte enquete: “Você acha que Léo Kret deve mudar seu estilo para se apresentar na câmara?”

Sempre simpática e sorridente, a dançarina conseguiu agregar quase 20 pessoas no estúdio durante o animado bate-papo. Ela pousava para fotos e distribuía autógrafos para todos que acompanhavam a entrevista. Falou abertamente sobre política, parada gay e assuntos pessoais. “Meu coração está ocupado com o povo que me elegeu”, brincou o vereador que foi eleito com mais de 12 mil votos e ficou em quarto lugar entre os mais bem votados.

Durante o programa, a dançarina avisou que irá continuar participando dos shows da Saiddy Bamba. “A gente sempre dá um jeito de aparecer, principalmente nos finais de semana”, disse. Para completar afirmou que não vai deixar de trabalhar pelo povo que a elegeu.

Sobre ser chamada de “ele” ou de “ela” Leo Kret foi incisiva: “Quero que me tratem por “ela”, a Kret, que é a minha identidade social. O povo me elegeu assim”. Ela afirmou ainda que esperava receber cerca de 25 mil votos. “Esperava ter até mais do que isso, mas uma semana antes da eleição me sabotaram”, concluiu.

class=”galeriaFotos”>