Polêmica na música

Zé Neto e Cristiano são processados por banda baiana pelo uso indevido da marca ‘Esqueminha’; entenda

Liminar determina aplicação de multa no valor de R$ 1.000,00 até R$ 50 mil caso marca seja utilizada

Redação iBahia
03/07/2022 às 11h12

2 min de leitura
Foto: Reprodução/ Instagram

O cantor Gabriel Levy, vocalista da banda Isqueminha, teve resultado positivo na Justiça com um processo movido contra a empresa ZN e C Produções Artísticas LTDA, da dupla Zé Neto e Cristiano e a Work Show Produções E Entretenimento Artísticos LTDA, por uso indevido de marca.

A ação, avaliada em R$ 50 mil, foi movida no Tribunal de Justiça de Goiás, na Vara Cível, no dia 25 de maio de 2022, e teve como motivação a tentativa da dupla sertaneja de utilizar a marca criada pelo artista baiano para a sua banda, em um evento, que se chamaria ‘Esqueminha com ZNC’.

O parecer favorável ao baiano foi publicado no Diário de Justiça do Estado de Goiás (DJGO) e dado por Gilmar Luiz Coelho, Juiz de Direito da 10ª Vara Cível de Goiânia.

O magistrado deferiu a liminar e determinou que a marca não seja mais usada em qualquer contexto comercial e/ou de divulgação, sob pena de aplicação de multa no valor de R$ 1.000,00 até o limite do valor dado à causa, R$ 50 mil.

Até o momento, a dupla Zé Neto e Cristiano não se pronunciou sobre o caso.

Este é o segundo processo por uso indevido de marca envolvendo a Work Show. O primeiro foi com a cantora baiana Daisy Soares, dona da marca A Patroa.