Novelas

Após 17 anos de 'Cidade de Deus', Leandro Firmino estreia em novela

Mesmo antes de o primeiro capítulo ir ao ar, ator já tem escutado comentários do público

Patrícia Kogut, de Agência O Globo

Leandro Firmino, que ficou conhecido do público ao interpretar o personagem Zé Pequeno no filme "Cidade de Deus", fará sua estreia em novelas em "Órfãos da terra", próxima trama das 18h da Globo. Na história, o ator será Tomás, um policial civil parceiro de Danton Mello:

Foto: Divulgação

- Estou muito feliz. É uma oportunidade ótima estar numa novela. Comecei a gravar esta semana e tenho procurado não ficar ansioso com a estreia. Tomás é um policial que leva o trabalho dele muito a sério e procura ser nota dez em tudo o que faz. Vai formar uma dupla divertida com o personagem do Danton. 

Mesmo antes de o primeiro capítulo ir ao ar, Leandro já tem escutado comentários do público:

- Eu circulo muito pela cidade a pé ou de transporte público. Com isso, as pessoas sempre me abordam. Muita gente está me parando para dizer que vai ser muito legal me ver na TV aberta. Também me desejam sorte no novo trabalho.

O ator também está na segunda temporada de "Impuros", série da Fox que tem como tema central a rivalidade entre um traficante e um policial nos anos 1990:

- Vivo o Gilmar, um homem que era trabalhador até perder o emprego por causa de uma fatalidade. Com isso, se envolve com o Evandro, chefe do tráfico, e entra para o crime. É o extremo oposto do Tomás.

Leandro virou ator por acaso, quando a produção de elenco de "Cidade de Deus" resolveu realizar testes na comunidade, em 2000. Na época, com 20 anos, ele não queria participar da seleção, mas foi convencido por amigos a tentar um papel. Acabou escalado para um dos personagens principais. Mesmo com o sucesso do filme, ele ainda teve dúvidas se queria seguir na carreira:

- Quando passei no teste, estava procurando um trabaho e vi ali uma opção de emprego. Depois do lançamento, eu fiquei em dúvida, não sabia se de fato eu tinha aptidão. Agradeço muito ao Lázaro Ramos, que me incentivou a continuar, e ao Paulo Betti, que me convidou para o filme 'Cafundó', em 2003. Disse para mim mesmo que, se eu fosse bem nesse filme, iria continuar. Foi ótimo e estou aqui até hoje.

Leandro acredita que é difícil para os atores se manterem na carreira artística, principalmente os artistas negros:

- Não é fácil. Enfrentamos uma série de barreiras a mais. Mas acho que estamos passando por um processo de mudança. Eu não deverei perceber os resultados disso, mas acredito que os meus filhos irão. Eles verão mais atores e atrizes negros na TV, na frente e atrás das câmeras. É um movimento legal, que está tomando força.

Quase 20 anos depois do filme, o ator ainda é muito reconhecido como Zé Pequeno e não se incomoda de ser abordado pelo público por causa do personagem:

- 'Cidade de Deus' ainda é muito vivo na memória dos brasileiros. Passa sempre nas TVs aberta e fechada. E todas as vezes eu quero assistir. Respondo a todos que falam comigo e tiro fotos. Não quero fugir do Zé Pequeno, foi o personagem que me projetou.

Leandro conta que costuma ouvir que mudou muito fisicamente desde então:

- Na época do filme eu era mais jovem, mais magro. Agora, estou com 40 anos e acima do peso. As pessoas comentam que mudei. Respondo que o tempo passa e as pessoas mudam, não tem para onde correr. Não é bom, mas é assim.

Casado com Letícia da Hora, Leandro é pai de Miguel, de 7 anos, e Levi, de 2:

- Quando não estou gravando, eles ficam comigo. Procuro ser um pai muito presente, porque não é fácil educar duas crianças. O Levi ainda é muito pequeno, mas o Miguel já entende que eu sou ator e gosta de assistir aos meus trabalhos. Mas só deixo que ele veja alguns.