Novelas

Aurora pretende tirar o sossego de Dominique em 'Salve-se Quem Puder'

Gabriela Moreyra se diz muito contente com a possibilidade de voltar a trama e entrar na trama

Redação iBahia (redacao@portalibahia.com.br )

Em "Salve-se Quem Puder", Lúcia (Cristina Pereira) é obrigada a fazer uma viagem de última hora e resolve escalar a sobrinha Aurora (Gabriela Moreyra) para monitorar os passos de Dominique (Guilhermina Guinle) evitando assim que a empresária tente incluir Renzo (Rafael Cardoso) novamente em seus negócios ilícitos. As cenas começaram a ir ao ar na quarta (9).

Mais que isso, Aurora também tem outros planos e aproveita a temporada em São Paulo para focar nos estudos. Dedicada, ela sonha com a carreira de diplomata e não mede esforços para tentar ingressar no Instituto Rio Branco. Com a ajuda de Lúcia e o incentivo de Renzo, que se oferece para ajudá-la a pagar os cursos, Aurora se mostra cada vez mais confiante. 

Nem mesmo a implicância de Dominique é capaz de tirar sua concentração. A filha de Lúcia não suporta a ideia de dar abrigo à prima e faz questão de deixar isso bem evidente o tempo inteiro. Além de duvidar da capacidade intelectual de Aurora, Dominique humilha a jovem ao exigir que ela prepare um suco para ela. Sempre serena, Aurora se impõe e deixa claro que ali naquela casa a função dela não é servi-la. Contrariada, Dominique tem um acesso de fúria e arremessa longe o livro de Aurora. 

 

Entrevista com Gabriela Moreyra

 

O que você sentiu quando foi convocada para começar a gravar ‘Salve-se Quem Puder’? 

Fiquei muito contente com a oportunidade de voltar a trabalhar. Foi uma ‘mix’ de sentimentos. Felicidade e ao mesmo tempo uma leve tensão por entrar num projeto que já estava em andamento. Mas quando vi já estava me sentindo parte da história e integrada com o restante do elenco, então tudo fluiu. Desde o convite do Daniel Ortiz até iniciar as gravações, aproveitei o período para estudar e pesquisar. Foi fundamental. 

 

Onde foi buscar inspiração para compor a personagem?

Aurora tem determinação e força. É uma mulher forte, sabe o que quer, é focada em seus objetivos. Vejo como um pioneirismo do Daniel mostrar uma mulher negra que quer ocupar um lugar de destaque. Uma estudante dedicada e que luta por esse sonho de ser diplomata. Para a construção da personagem, fiz pesquisas teóricas sobre diplomacia e o Itamaraty. Mas a história que mais me inspirou para compor a personagem foi a trajetória do Jackson Lima, um baiano que driblou o preconceito e as dificuldades para viver o sonho de se tornar diplomata. 

 

Como foi gravar seguindo os protocolos de segurança? 

Estranho e um pouco difícil (risos). O nosso trabalho é toque, é olho no olho, então manter a distância mínima e a necessidade de seguir os protocolos muda toda essa percepção. Depois, a gente se adapta e fica tudo mais simples. Foi uma situação atípica para todos. Desde ficar isolada no camarim até fazer a própria maquiagem.