Novelas

Deborah Secco se inspira na inesquecível Carminha para 'Segundo Sol'

Quis o destino que Deborah dividisse a vilania da história justamente com Adriana, a cafetina Laureta

Regiane Jesus, da Agência O Globo
- Atualizada em

Na cidade de luz e prazer, localizada no coração do Brasil, sobra euforia atrás do trio elétrico... E perigo nos bastidores. Ao menos em “Segundo sol”, novela das nove que estreia no dia 14 de maio. Na trama, a personificação do mal é Karola, uma linda baiana, moradora de Salvador, ambiciosa e que vem a ser namorada do cantor decadente do axé Beto Falcão (Emilio Dantas).

Deborah Secco vive a vilã Karola
Foto: João Cotta/Gshow
A sede por dinheiro que alimenta a moça a faz comemorar a suposta morte do artista com o amante, Remy (Vladimir Brichta) — também do mal, que vem a ser irmão de Beto! — simplesmente porque seu desaparecimento num acidente de avião faz as vendas de seus álbuns subirem às alturas. Na nova história de João Emanuel Carneiro, também autor da inesquecível “Avenida Brasil” (2012), cabe a Deborah Secco a missão de trair, pisar em quem ousar cruzar seu caminho e até roubar criancinha. Por essas e outras, a comparação com a antológica Carminha (Adriana Esteves) é natural.

— Karola é minha primeira vilã, porque a Íris (de “Laços de família”, do ano 2000) era só uma menina malvada. Com Karola, o padrão de qualidade que tenho para seguir é elevado. Foi inevitável pensar em Carminha. Adriana é uma gênia — elogia Deborah.

Karola e Laureta prometem dar o que falar na trama
Foto: João Cotta/Gshow


Quis o destino que Deborah, de 38 anos, dividisse a vilania da história justamente com Adriana, a cafetina Laureta de “Segundo sol”: — Eu me espelho nela há anos. Darlene (papel de Deborah em “Celebridade”, de 2003) foi toda inspirada em Sandrinha (personagem de Adriana em “Torre de babel”, de 1998). Ela me ajuda muito, e a nossa parceria é incrível. A gente é sagitariana, insegura, tensa. Além de dividir a cena, dividimos esses conflitos.
Deborah e Giovanna durante gravação
Foto: Gshow
Nem mesmo os 30 anos de carreira a deixam tranquila às vésperas de uma estreia: — Nunca comecei um trabalho achando que estava ganho. Quando fiz “Bruna Surfistinha” (filme que estreou em 2011), chorava, achava que não estava fazendo bem, que todo mundo ia descobrir que eu era uma farsa. Adriana me disse que chorava diariamente na época da Carminha.

Se Deborah tem Adriana como musa inspiradora, a ambiciosa personagem de “Segundo sol” quer ser uma certa conterrânea famosa: — Karola se inspira em Ivete Sangalo, porque toda baiana quer ser Ivete. Na novela, o prédio da minha personagem fica na mesma rua da Ivete. Ela está querendo chegar lá — diverte-se Deborah.