Novelas

Emílio Dantas confessa inspiração em Saulo para compor personagem

Ator vai interpretar um cantor de axé em 'Segundo Sol', que estreia dia 14 de maio

Guinho Santos (guinho.santos@redebahia.com.br)
- Atualizada em

Se você ligar a TV no horário das 21h, a partir do dia 14 de maio, e se deparar com um personagem que lembra um baiano muito familiar, não se assuste. Emílio Dantas vai dar vida ao cantor de axé Beto Falcão na novela 'Segundo Sol', ambientada na Bahia. Assim que a coletiva com a imprensa se iniciou na quarta-feira (04), a semelhança do ator com o nosso Saulo logo foi observada.

Emílio chamou atenção por semelhança com Saulo durante coletiva
Fotos: Guinho Santos/iBahia e Divulgação

O global, então, confessou que buscou algumas referências com o cantor para ajudar a compor seu personagem. "Conheci ele (Saulo) há pouco tempo porque ele foi fazer um show no Rio e convidou uma galera porque sabia que a novela ia ter essa temática da Bahia. Eu falei que queria conhecer ele. Ele foi tomar um café lá em casa e o porteiro deixou ele subir sem interfonar achando que era meu irmão (risos). Ficamos conversando durante quatro horas, trocando ideia", contou. 

Emílio aproveitou para rasgar elogios ao ex-vocalista da Banda Eva e afirmou que o músico foi essencial para construção do seu papel: "Saulo tem uma questão de batalha pela música, pela cultura baiana. Ele é muito focado nisso e é um espírito lindo. Um cara da paz e que sabe muita história da Bahia e de Salvador e muita coisa do ramo da música, que era o principal pra mim".

Ator revelou que conversou por quatro horas com Saulo 
Fotos: Roberto Abreu/CORREIO e João Cotta/TV Globo

O ator disse também que chegou a assistir ao documentário 'Axé - O Canto de um Povo', de Chico Kertész, lançado em 2017. Sobre o projeto, Emílio salientou sua importância para todos os que fazem parte do elenco da trama: "a gente assistiu ao documentário, que é sensacional, e ali é uma cartilha da música baiana, pelo menos da fase do axé. Dali eu consegui ver muitos tipos de pensamento em relação ao axé, ao mercado, à arte, às cores, ao batuque... Procurei ir neste lugar da música".

Paralelo a isso, Emílio confessou que resgatou o começo de sua história no mundo da arte. "O resto fui buscar em mim. Eu surgi com banda aos 15 anos. Era aquele moleque da garagem que tocava com os amigos. Foi onde surgiu a minha paixão pela arte. A música pra mim é sempre o biscoitinho de cachorro que faltava. Aquela coisa de uma luz a mais", contou ele, adiantando que a música, por sinal, vai ser o ponto principal na vida de Beto Falcão: "a paixão dele pela música é que leva ele a todas essas aventuras que vão acontecer".