Novelas

Português ou 'novelês'? Relembre bordões de personagens que caíram na boca do povo

Frases como "Não é brinquedo, não" e "Nos trinques" foram incorporadas ao vocabulário brasileiro após serem constantemente repetidas na teledramaturgia

Maria Beatriz Pacheco* (maria.beatriz@redebahia.com.br)
- Atualizada em

Como diria o Rei Roberto Carlos na canção 'Detalhes', "Não adianta nem tentar me esquecer, durante muito tempo em sua vida eu vou viver". Não entendeu a referência?  É simples: não importa o quanto o tempo passe, certas coisas nunca mudam, principalmente quando o assunto envolve bordões que, seja pela maneira como foram ditos, repetidos ou interpretados pelos personagens, permanecem vivos na história e no vocabulário do brasileiro.

Foto: reprodução / TV Globo
Nesta sexta-feira (18), a televisão brasileira completa 70 anos. Para celebrar a data, o iBahia preparou um especial com frases que foram eternizadas na voz de personagens que marcaram novelas e seriados. Confira!

1. “O tempo ruge e a Sapucaí é grande”, de Giovanni Improtta (José Wilker) em ‘Senhora do Destino’ (2004)

O poderoso bicheiro Giovanni Improtta (José Wilker) arrancava gargalhadas dos telespectadores de 'Senhora do Destino' com seu jeito diferente de falar português. Dentre suas peculiares frases, à exemplo de "Felomenal" e "Vou me pirulitar", o trapalhão repetia tanto "O tempo ruge e a Sapucaí é grande" para se referir a emergências que o bordão acabou caindo no gosto do brasileiro. Para quem deseja rever, a novela está disponível na plataforma de streaming Globoplay.

2. “Não é brinquedo não”, de Dona Jura (Solange Couto) em ‘O Clone’ (2001)

Noveleiro ou não, você provavelmente já ouviu a frase "Não é brinquedo não". E quem diria que ela iria cair na boca do povo  justamente na voz de Dona Jura (Solange Couto) em 'O Clone'? Mãe solteira e muito trabalhadora, Dona Jurema Cordeiro faz sacrifícios para cuidar do filho Xande (Marcello Novaes) e utilizava o bordão em diferentes contextos: seja para reclamar, substituir xingamentos ou até mesmo traçar elogios.


3. “Eu sou chique, bem”, de Márcia (Drica Moraes) em ‘Chocolate com Pimenta’ (2003)


Filha do matuto Margarido (Osmar Prado) e dona de um nariz para lá de empinado, Márcia (Drica Moraes) sonhava em ser rica. E não é por acaso que vivia falando por ai "Eu sou chique, bem" sempre que queria reforçar a importância que julgava ter. Para quem está com saudade de se divertir com os caprichos da prima de Aninha (Mariana Ximenes), a trama de Walcyr Carrasco está sendo reprisada no canal fechado VIVA, de segunda à sexta, às 15h30 e 00hrs.

4. “Tô certo ou tô errado?”, de Sinhozinho Malta (Lima Duarte) em 'Roque Santeiro' ( 1985)


Para que usar um ponto no final das frases quando se pode soltar o famoso "Tô certo ou tô errado" de Sinhozinho Malta (Lima Duarte) em Roque Santeiro (1985)? Brincadeiras à parte, a frase era muito utilizada pelo pai de Tânia (Lídia Brondi) ao finalizar comentários, sempre balançando os braços, em que era possível ouvir o chacoalhar das pulseiras dele.

5.”Tô pagando”, de Lady Kate (Katiuscia Canoro) em ‘Zorra Total’

Grana e simpatia do público ela já tinha, só faltava o glamour. Pouco mais de dez minutos em um quadro do 'Zorra Total' foram suficientes para eternizar as pérolas de Lady Kate (Katiuscia Canoro). Dentre uma e outra confusão no luxuoso apartamento onde morava, a madame, a qual adorava ostentar a reviravolta que teve na vida, soltava um "tô pagando" sempre que os desejos dela não eram atendidos.

6. "Deite que vou lhe usar", do Coronel Jesuíno (José Wilker) no remake de Gabriela (2012)

Criado por Jorge Amado e readaptado por Walcyr Carrasco no remake de 'Gabriela' (2012), o coronel Jesuíno (José Wilker) caiu no gosto do povo sem precisar comprar votos. Motivo? O bordão "Deite que vou lhe usar", dito sempre que o poderoso ia ter relações sexuais com uma mulher, rendeu memoráveis memes nas redes sociais. Aproveitando o sucesso da expressão, o cantor Thiaguinho lançou uma canção homônima.


7. “Tô doido, tô doido”, de Jajá (Welder Rodrigues) e Juju (Adriana Nunes) em ‘Zorra Total’

Como falar sobre os 70 anos da TV brasileira e não citar o legítimo “casal 20” Jajá (Welder Rodrigues) e Juju (Adriana Nunes) de ‘Zorra Total’? A frase "Tô doido", disparada pelo homem sempre que ia declarar o amor que sentia pela amada, era acompanhada por pulos e destruição de ambientes. Inclusive,  chegou a ser incorporada por Ronaldinho Gaúcho em uma partida pelo time Barcelona em 2006.

8.  “Tô bege, tô rosa”, de Yasmin (Mariana Rios) em ‘Malhação’ (2005)

E como se esquecer da divertida Yasmin Fontes (Mariana Rios) na 15ª temporada de ‘Malhação?’ A estudante e futura cantora divertiu os brasileiros com os célebres, mas inesperados bordões, como "Tô bege, tô rosa", "Jesus, me chicoteia" e "Passa na praça". É possível rever capítulos da série no canal fechado VIVA, de segunda à sexta, às 12h30.

9. “Nos trinques”, de Timóteo d’Alembert (Paulo Betti) em ‘Tieta’ (1989)

Mais de 30 anos se passaram desde a estreia de ‘Tieta’ na TV Globo, mas a expressão “Nos trinques”, marcada pela voz de Timóteo d’Alembert (Paulo Betti), nunca saiu de moda. Geralmente usada para se referir a pessoas bem vestidas ou lugares arrumados, é mais uma frase da novela de Aguinaldo Silva que foi incorporada ao vocabulário brasileiro, como a expressão “Êta lêlê”, da própria Tieta (Betty Faria). A novela está disponível na plataforma de streaming Globoplay.




10. “Salguei a Santa Ceia”, de Félix (Mateus Solano) em ‘Amor à Vida (2013)

Para encerrar esta lista com chave de ouro, não poderia faltar o vocabulário único de Félix em ‘Amor à Vida’. Ele carregava uma tempestade de bordões na trama, e expressões como "Salguei a santa ceia", "Pelos cachos de Sansão" e "Dancei pole dance na cruz" trouxeram um ar de humor para um dos vilões mais egocêntricos de toda a teledramaturgia. A novela de Walcyr Carrasco pode ser assistida de novo na plataforma de streaming Globoplay.

*Sob supervisão da repórter Lívia Oliveira