Novelas

Quem matou Julia Castelo: atores de ‘Espelho da vida’ falam de suas suspeitas

Cada um tem seus motivos para ter dado cabo da filha de Piedade

Marcelle Carvalho, da Agência O Globo
- Atualizada em

Foto: Estevam Avellar/Divulgação
Com alma detetivesca, Cris (Vitória Strada) não consegue se desapegar do passado na ânsia de descobrir quem é o responsável pela morte de Julia Castelo, em “Espelho da vida”. Ao acompanhar as idas e vindas da mocinha ao tempo antigo, o público vem tendo pistas dos possíveis assassinos: Gustavo Bruno (João Vicente de Castro), Dora (Alinne Moraes), Eugênio (Felipe Camargo), Hildegard (Irene Ravache), Otávio (Patrick Sampaio) e Albertina (Susana Faini). Cada um tem seus motivos para ter dado cabo da filha de Piedade (Julia Lemmertz), como mostramos nos quadros ao longo da página.

A obsessão de Gustavo Bruno por Julia faz João Vicente colocá-lo no topo da lista dos possíveis algozes da bela moça. — Eu tenho para mim que foi ele. Suspeito disso pelos rumos da própria história da novela. A gente confunde amor com posse, com a necessidade de ter algo que se quer. Pode ser que ele ame também, mas o que sente é mais vaidade do que amor — analisa o intérprete do Marques de Torga, que também aponta Dora como uma forte candidata a responsável pelo crime.

Alinne Moraes faz coro com o colega de cena, já que a “amiga” de Julia é tão passional quanto Gustavo Bruno. — Dora é uma mulher muito invejosa. Ela não mede esforços para conseguir seus objetivos, principalmente quando eles envolvem Gustavo Bruno. Então, acho que existe, sim, a possibilidade de ela ter atirado em Julia — decreta a vilã da trama das seis.

Sempre às turras com a filha por conta de seu romance com Danilo (Rafael Cardoso), Eugênio também pode ser o grande culpado. Seu temperamento explosivo faz Felipe Camargo acreditar na culpa de seu personagem. O artista, porém, faz uma ponderação.

— Eugênio pode ser o responsável, mas não o agente que teria puxado o gatilho — analisa Camargo, que lamenta o fato de o coronel estar entre os suspeitos: — É uma possibilidade terrível matar a própria filha! Por isso, prefiro acreditar que, se ele atirou mesmo, foi acidental, querendo matar Danilo.


E é justamente por conta do pintor que Hildegard também está no rol dos culpados. — Acho que é possível ela ser assassina. Porque dependendo do que vai acontecer com o filho dela, Hildegard pode ficar tão alucinada e se voltar totalmente contra Julia — constata Irene Ravache.

Quem corre por fora é Otávio, encarnação passada de Felipe, ambos interpretados por Patrick Sampaio. O ator acredita em alguma culpa do irmão de Gustavo Bruno, por conta do que aconteceu com o rapaz na vida atual.

— Eu diria que ele pode ter feito algo muito grave para justificar o aneurisma, a morte precoce na encarnação seguinte, e essa personalidade mais cruel que Felipe desenvolveu — analisa o ator, que comemora estar na lista dos culpados (“isso é algo que acaba destacando o personagem e cria a oportunidade de trabalhar essa dualidade moral do Otávio, que talvez seja capaz de matar se as circunstâncias se apresentarem”, diz) e ainda aponta outra suspeita: — A Guardiã ter ficado presa na casa, proibida de reencarnar, é algo que me intriga. Acho que tem coisa aí.

Mas Susana Faini, que faz Albertina e Guardiã, não acredita que a personagem seja responsável pelo tiro que matou Julia. — Apesar de ela ser uma pessoa ruim, não acho que seria capaz de matar a própria neta. Existe uma distância muito grande entre ser desagradável e ser uma assassina — pondera a atriz, que tem a própria tese sobre o assassinato da mocinha: — Acho que o crime, na verdade, foi um erro de planejamento. Acho que foi algo que deu errado, mesmo que tenha sido Gustavo Bruno. Acho até que quem matou tinha o objetivo de assassinar outra pessoa e acabou atirando na Julia.