Novelas

Roberta Rodrigues enfrenta gatilhos ao viver escrava em Nos Tempos do Imperador

Em entrevista à colunista Patrícia Kogut, do jornal O Globo, atriz abriu o coração sobre sua personagem

Redação iBahia (redacao@portalibahia.com.br)

A atriz Roberta Rodrigues vem vivendo um turbulihão de emoções ao interpretar Lupita, uma mulher escravizada nos anos 1850, em Nos Tempos do Imperador. Em entrevista à colunista Patrícia Kogut, do jornal O Globo, a artista confessou que pensa em seus ancestrais quando entra em cena: "É desafiador abordar histórias como essa no sentido de acionar muitos gatilhos".

Na trama da Globo, a personagem é explorada por Borges (Danilo Dal Farra). "Muitas atitudes não mudaram, infelizmente", ressaltou a atriz.

"É desafiador e emocionante abordar histórias como essa no sentido de acionar muitos gatilhos. Viver cenas que envolvem toda a luta dos negros escravizados e não imaginar que um ancestral nosso tinha isso como rotina é quase impossível. E isso reforça ainda mais a minha vontade e necessidade de mobilizar os meus irmãos para lutar por mudanças hoje", afirmou Roberta para à coluna do jornal.

"Se eu não fosse atriz de novela, sei que me olhariam diferente na rua ou quando entrasse numa loja, por exemplo. Por isso, antes de entrar no set, falo que estou ali por todos os meus ancestrais. Entro em cena carregando todo o povo preto que nunca viu na TV essa história verdadeira", continuou.

A intérprete de Lupita disse que nota o avanço da representatividade negra na TV: "A gente vive um momento do empoderamento dos pretos. Estamos encontrando o nosso lugar, encontrando a nossa história e nos autoafirmando. Acho que a Lupita reflete muito tudo isso, porque ela é uma personagem tão incrível, que vai trazer tantos discursos... Isso é muito importante".

"Temos que conversar e mostrar as verdades para poder discutir o que já avançou e o que ainda precisa avançar. As pessoas estão mais conscientes, mas ainda há muito preconceito enraizado. Eu já sofri preconceito. A gente sofre todos os dias, né?! Dependendo do lugar que você está no dia, isso é muito corriqueiro", comentou.

Além disso, Roberta também denuncia os ataques racistas que recebe na internet: "Acontece bastante, e eu fico muito assustada. Ainda mais depois que eu tive filho, porque estamos no século 21".

"E, quando acontece, eu sempre corro atrás dos meus direitos, porque só sabe as dores do preconceito racial quem vive e passa por elas. Eu vou à delegacia, sim, porque não aguento mais isso, é inadmissível. Já estou cansada", concluiu ela, para Patrícia Kogut.