Onde Está Meu Trio

Música negra é destaque no Carnaval do Pelô em noite de abertura

Palco principal, no Largo do Pelourinho, teve a presença marcante de diferentes gerações de cantoras negras

Redação iBahia (redacao@portalibahia.com.br)

A noite de abertura do Carnaval do Pelô contou com desfiles de bandas e grupos de rua, remetendo ao carnaval das antigas, microtrios e ritmos que foram do samba ao balanço do reggae. 

Foto: Alexandra Martins / GOV BA

O palco principal, no Largo do Pelourinho, teve a presença marcante de diferentes gerações de cantoras negras que através da música preservam um legado de resistência e ancestralidade. A voz que abriu os trabalhos foi a da cantora Márcia Short, uma das figuras mais representativas do carnaval baiano. 

A noite foi coroada também com a apresentação de um trio de mulheres que representam uma geração de cantoras, compositoras e instrumentistas do samba de roda do Recôncavo Baiano. Foram elas Maryzélia Santos, Dona Chica do Pandeiro e Mestra Ana, que levaram ao Largo do Pelourinho o projeto “Samba das Yabás”.

O projeto foi idealizado pela cantora Maryzélia Santos, 43, que em novembro de 2019, completa 10 anos de carreira. “Elas foram as precursoras dessa luta. É uma história altamente negra e saber disso faz com que eu fortaleça ainda mais a minha verdade. O que eu sinto é gratidão pela oportunidade de estar aqui fazendo história ao lado delas”, assegurou a artista, que participa do Carnaval do Pelô há três anos, sendo esta a primeira vez no palco principal. Para encerrar a noite, o Largo do Pelourinho ainda recebeu mais uma cantora, Amanda Santiago, cantando grandes sucessos do carnaval baiano.

Sexta do samba
O samba também foi o protagonista da noite no Largo Quincas Berro d’Água. A primeira a comandar a festa foi a cantora Cláudya Costta, que subiu ao palco levando, principalmente ,o estilo samba reggae, nascido genuinamente nas ruas do Pelô. A apresentação mesclou também canções de antigos carnavais.

A segunda atração da noite foi Nonato Sanskey e Roda de Samba Mucum G’. O grupo, conhecido em Salvador pelas tradicionais rodas de samba do bairro do Garcia, fez a turma requebrar desde o início do show, o qual contemplou canções autorais e canções tradicionais do samba de roda e do samba duro baiano, estilos consagrados e que são bases de todo o trabalho desenvolvido pela banda. 

Nostalgia
Os foliões presentes no Largo Pedro Archanjo nesta sexta-feira puderam matar a saudade dançando marchinhas de carnaval, frevo, sambas, marcha rancho, afoxé e axé. A noite começou com a Orquestra Sérgio Benutti, grupo com mais de 20 músicos, que se apresentou pela 5ª vez no Carnaval do Pelô. A orquestra traz uma proposta diferente que passeia pelas músicas clássicas e populares, proporcionando uma variação entre o antigo e o novo, permitindo ao público apreciar o moderno, mas sem deixar o saudosismo de lado.

A seguir, a banda Compassos e Serpentinas deu um colorido muito especial para a noite, o repertório tem como principal marca clássicos da MPB cantados no ritmo frenético do frevo e do Axé baiano. 

Mais Pelô

O sábado de carnaval ainda traz muitas atrações para o Pelourinho. O palco principal abre programação às 18h30 no clima do axé das antigas, com os cantores e compositores Manno Góes, Jorge Zarath e Tenison Del Rey no show Baile de Autor. Em seguida, às 20h30, as antigas marchinhas de carnaval ganham uma nova roupagem com a banda Bailinha de Quinta, que no projeto Sopro Elétrico se conecta com os talentos de Ivan Sacerdote e Morotó Slim. A programação se encerra em clima de festa com as Ganhadeiras de Itapuã comemorando 15 anos, ao lado de Seu Regi e Grupo Botequim, a partir das 23h.

Parah Monteiro (19h), Orquestra Compassos (21h30) e Gerônimo (0h) são atrações da noite no Largo Pedro Archanjo, que mais cedo recebe o primeiro de bailes infantis com o grupo Cadeiradebrim (15h30). O Largo Tereza Batista vai misturar o forró de Zelito Miranda (17h), o som mesclado de Carlos Pitta & Bando Anunciador (20h) e a batida percussiva de Pradarrum (22h30). Já o Largo Quincas Berro d’Água recebe Lateral Elétrica (18h), Chaveirinho do Arrocha (20h30) e, direto de Euclides da Cunha, o Grupo Circuladô (23h). A programação completa está disponível no site www.cultura.ba.gov.br.