Salvador

Apenas 18% das gestantes se vacinaram até agora contra gripe em Salvador

Para ter acesso às doses, as puérperas precisam apresentar documentação que comprove a realização do parto nos últimos 45 dias

Redação iBahia (redacao@portalibahia.com.br )
- Atualizada em

Até o momento, 18% das gestantes e 24% de puérperas buscaram uma das 85 unidades de saúde referência para vacinar, além das cinco unidades de drive thru instaladas em Salvador. A intensificação da campanha nacional de vacinação contra a gripe para os grupos de risco tem baixa adesão desde o início da nova etapa, no último dia 27. O indicador baixo é preocupante na capital baiana, pois a vacina protege tanto a mamãe como o bebê contra o vírus H1N1, H3N2 e Influenza B.

A vacinação está sendo realizada na Arena Fonte Nova; no 5º Centro de Saúde Clementino Fraga, nos Barris; nos dois campi da Faculdade Bahiana de Madicina, nos bairros do Cabula e Brotas; e no Atakadão Atakarejo de Fazenda Coutos. Esses drives realizam a vacinação somente das gestantes e puérperas. 

Desde o início de abril, quando foi iniciada, a campanha de vacinação já imunizou 433 mil pessoas contra a gripe em Salvador. O percentual de idosos vacinados, por exemplo, superou a marca dos 100% previstos. 

De acordo com Doiane Lemos, subcoordenadora de Controle de Doenças Imunopreviníveis pela Secretaria Municipal de Saúde (SMS), a criança, o idoso, a gestante e a mulher que teve filho nos últimos 45 dias têm potencial de desenvolver complicações provocadas pelo vírus Influenza e ir a óbito. 

“Uma vez que a gestante e a puérpera se vacinam, elas estão protegendo a elas e ao bebê, pois, se a puérpera se contaminar, por exemplo, ela pode contaminar o filho que ainda não tem idade para receber a vacina. Portanto, são duas vidas protegidas”, ressalta, pedindo que essas mulheres comparecem nos postos de vacinação.

Doiane completa ainda que essa é uma época de circulação do vírus Influenza, que continua incidente mesmo com a presença do coronavírus. Esse ano, já foram confirmados 76 casos de H1N1, três casos de H3N2 e 23 casos de Influenza B, os três tipos de vírus contra os quais é possível se proteger com a vacina.

Nessa segunda fase da campanha de vacinação, estão sendo priorizados, além das gestantes e puérperas, profissionais da força de segurança e salvamento, portuários, caminhoneiros, motoristas e cobradores de transportes coletivos, idosos e trabalhadores da saúde.

Para ter acesso às doses, as puérperas precisam apresentar documentação que comprove a realização do parto nos últimos 45 dias. Os portadores de doenças crônicas também devem apresentar a prescrição médica com o motivo da indicação, ou seja, a patologia do paciente.

A próxima fase da campanha de vacinação contra a gripe está prevista para o dia 11 de maio e terá como público-alvo crianças com idade a partir de seis meses e menores de seis anos, além de pessoas com deficiência. A partir do dia 18 de maio, as doses serão disponibilizadas para professores e pessoas com idade entre 55 e 60 anos incompletos.

Embora não seja eficaz contra o coronavírus, a vacinação contra a Influenza é importante nesse momento de pandemia, pois a imunização facilita um eventual diagnóstico para a Covid-19, já que os sintomas são parecidos. Além disso, ao proteger a população contra a gripe, a demanda por hospitalização é reduzida, o que é fundamental em tempos de pandemia.