Salvador

Após críticas, secretário de saúde pede coerência ao estado: 'Desconsiderou a ciência'

Léo Prates falou ainda sobre as acusações relacionadas ao Carnaval

Redação iBahia (redacao@portalibahia.com.br)

O secretário de Saúde de Salvador, Léo Prates, falou na manhã desta segunda-feira (29) sobre as aglomerações em partidas de futebol. Em uma entrevista ao Jornal da Manhã da TV Bahia, ele pediu coerência nos decretos estaduais que liberam os públicos de eventos e estádios; e afirmou que a última publicação "desconsiderou a ciência".

"Nós sempre defendemos a ciência em primeiro lugar, mas, com todo o respeito, quem escreveu o decreto estadual desconsiderou a ciência. Na minha opinião, o risco epidemiológico de um estádio de futebol, independentemente de usar todo e de um evento lá feito é o mesmo", destacou.

O secretário falou ainda sobre as acusações relacionadas ao Carnaval. No bate papo, ele destacou que nunca se posicionou a favor da festa e da preocupação ao aparecimento da nova variante ômicron da Covid-19, detectada pela primeira vez na África do Sul.

“Algumas pessoas foram à minha rede social falar que eu estava defendendo o carnaval. Eu quero separar as coisas, porque algumas pessoas, de má fé, misturam. Uma coisa é o carnaval e outra coisa é a questão dos eventos. Sobre o carnaval, a gente depende do momento. Com o aparecimento da ômicron e de todos esses problemas que nós temos acompanhado pelo mundo, nós achamos que não é o momento de ter nenhuma posição sobre o carnaval", ponderou durante a entrevista.

Posicionamento do governo

O governador Rui Costa não se posicionou sobre o caso, mas a Secretaria da Saúde do Estado da Bahia (Sesab) emitiu uma nota ainda no sábado (27). Confira na íntegra:

"A Secretaria da Saúde do Estado acompanha o tempo todo indicadores que apontam a possibilidade de flexibilização de medidas restritivas para conter a Covid-19, ou ainda que mostrem a necessidade de que haja uma maior restrição.

Entre os indicadores estão número de casos ativos, novos casos diários, taxas de cobertura vacinal e de ocupação de leitos.

Sempre que autorizados, os eventos devem obedecer ao que está estabelecido no decreto nº 20.907, publicado no Diário Oficial do Estado. Devem ser respeitados os protocolos sanitários estabelecidos, especialmente o distanciamento social adequado, o uso de máscaras e a comprovação do quadro vacinal contra a Covid-19 em dia".