Salvador

Após denúncia de racismo feita por Jau, Sette Restaurante divulga versão do caso

Artista afirmou ter sido impedido de entrar no local

Redação iBahia (redacao@portalibahia.com.br )
- Atualizada em

Na noite desta quinta-feira (2), o cantor e compositor Jau foi impedido de entrar no Sette Restaurante, localizado na Barra, em Salvador. Em vídeo compartilhado nas redes sociais, o artista afirmou ter sido vítima de racismo.  

Em nota de esclarecimento, o restaurante diz ter um "código de vestimenta formal" e que um dos acompanhantes de Jau não "estava de acordo com o dress code estabelecido". O acompanhante, um dos assessores do cantor, estaria de bermuda e com um "chapéu utilizado pelo artista". Este teria sido o motivo do impedimento da entrada de Jau e da banda no local. 

"Em imagens capturadas pelas câmeras de segurança do Sette, vê-se claramente que o acompanhante do cantor não estava usando vestimentas de acordo com o dress code estabelecido (usava bermuda), bem como chapéu utilizado pelo artista, motivos estes que levaram o segurança a informá-lo da necessidade de adequação para acesso ao local.", diz o comunicado. 

Ainda segundo a nota, a informação está visível na entrada do local. O restaurante reforça que "não há impedimento legal para que bares e restaurantes privados estabeleçam seus códigos de vestimenta, desde que o deixem claro na entrada do estabelecimento, sites e mídias sociais, de modo que o consumidor possa ser previamente informado".

Ao fim do texto, o local afirma que "abomina qualquer ato racista ou discriminatória, prezando por sua conduta democrática e inclusiva". 

Na manhã desta sexta-feira (3), o cantor Jau prestou depoimento na 14° DT de Polícia, na Barra, à delegada Mariana Ouais. O artista chegou acompanhado da esposa, produtora da banda, de assessores e advogados, mas não se pronunciou sobre o assunto.