Salvador

Após incêndio, dono do Coco Bahia quer reabrir espaço em um mês

A cozinha e o almoxarifado do empreendimento não foram atingidos

Rafaele Rego (rafaele.rego@redebahia.com.br)
- Atualizada em


A perícia do Departamento de Polícia Técnica (DPT) que irá avaliar os motivos do incêndio que atingiu o restaurante Coco Bahia nesta domingo (22), só será feita na terça-feira (24), mas enquanto isso, o proprietário do empreendimento, Edígio Guelpa, já está tomando as providencias necessárias para que a reconstrução do espaço seja liberada.


Na manhã desta segunda-feira (23), uma equipe da seguradora que garantia o restaurante contra incêndios esteve no local para avaliar as possíveis causas do acidente. "Ainda não temos noção do prejuízo que foi causado, o restaurante tinha todos os equipamentos de segurança necessários e a seguradora já está no local fazendo uma vistoria. Agora só estamos aguardando uma liberação para podermos reconstruir o Coco Bahia", afirmou Guelpa.


Segundo o proprietário, como a cozinha e o almoxarifado do empreendimento não foram atingidos, a expectativa é de que na próxima semana o serviço de delivery e a pastelaria voltem a funcionar. "Um arquiteto já esteve no local para desenhar um novo projeto. Nossa intenção é que em cerca de um mês o Coco Bahia reabra, com o mesmo estilo rústico, mas com propostas construtivas diferentes, enquanto isso, vamos funcionando com o serviço de delivery e o Coco Pastel", disse.


De acordo com Guelpa, os funcionário também estarão cobertos pelo seguro. "Alguns irão tirar férias coletivas, e outros poderão ajudar na reconstrução do restaurante", contou.


O Coco Bahia faz parte da Grupo Coco Bambu, com restaurantes em São Paulo, Fortaleza e Brasília. A construção de um novo restaurante o Coco Bahia Frutos do Mar está prevista para começar em 40 dias, no terreno ao lado.