Salvador

'As duas deveriam ser indiciadas', diz secretária alvo de racismo

Olívia Santana denunciou ataques; suspeita foi liberada e outra pagou fiança

Milena Teixeira, do Correio 24h
- Atualizada em


Onde Está Meu Trio?


Uma solitária (ou tênia) de 2,8 metros de comprimento foi achada no estômago de um paciente em Cingapura, segundo divulgou recentemente o Departamento de Microbiologia do Hospital Central da Cidade-Estado na Ásia.


A secretária Olívia Santana divulgou foto de uma das agressoras em rede social (Foto: Reprodução/ Facebook) 

As duas mulheres detidas após, segundo a polícia, praticar agressões racistas contra a secretária estadual do Trabalho, Emprego, Renda e Esportes (Setre), Olívia Santana, foram liberadas da Delegacia de Flagrantes, no mesmo dia dos ataques, no último sábado (3). De acordo com a Polícia Civil, uma delas foi indiciada pelo crime de injúria racial, pagou fiança e vai responder em liberdade. O valor da fiança não foi divulgado.

A segunda mulher não vai responder a nenhum crime por “falta de provas”. Conforme Olívia, elas estavam no Hotel Catussaba, em Itapuã, participando do Baile de Carnaval do Rallye do Batom, quando praticaram as agressões. A secretária disse que uma mulher foi até ela como se fosse fazer um cumprimento. No entanto, acabou dizendo que ela não deveria estar naquele lugar e que tinha que voltar para a favela por ser comunista.

Foto: Priscila Natividade/Arquivo CORREIO

Segundo a testemunha que presenciou as agressões, a outra mulher, que também não teve o nome divulgado, começou a xingar Olívia, gritando que o regime militar estava voltando para “colocar ela no lugar certo.”

Sobre a decisão da polícia, Olívia disse que achou "lamentável" que uma das mulheres não tenha sido indiciada. "Uma foi mais incisiva, mas a outra acompanhou e chegou a falar perto de mim: 'você nao vai chorar, não?' Temos testemunhas que presenciaram. Isso é um absurdo porque ela foi violenta comigo. Elas tiveram uma atitude deliberada, inclusive a que me agrediu fisicamente", falou a secretária.

Neste domingo, ela usou as redes sociais para comentar novamente o caso. “Elas me mandaram voltar pra favela, dizendo que lá é o meu lugar. Meu lugar é onde eu quiser estar!”, escreveu Olívia.