Salvador

Caso Geovane: Justiça determina que PMs fiquem presos por mais 30 dias

A prisão dos policiais aconteceu no dia 13 de agosto, quando o CORREIO publicou uma reportagem em que Geovane é colocado em viatura

Da redação
- Atualizada em
A Justiça decidiu prorrogar por mais 30 dias a prisão dos três policiais militares envolvidos no desaparecimento de Geovane Mascarenhas Santana, 22 anos, visto pela última vez com vida no dia 2 agosto, durante uma abordagem no bairro da Calçada.

Após suposto sumiço de adolescente, moradores fazem manifestação na Estrada das Barreiras
"Morte de Geovane foi um crime de estado", diz coordenador do Observatório de Segurança Pública
Geovane não foi morto a tiros, diz polícia
Exame de DNA confirma que corpo no IML é de Geovane

A prisão temporária foi estendida na última sexta-feira. “(A prorrogação) Foi necessária diante da complexidade da investigação e busca pela coleta de provas. Com a liberação dos investigados, eles poderiam comprometer a apuração”, explicou nesta segunda (15) o delegado Jorge Figueiredo, diretor do Departamento de Homicídio e Proteção à Pessoa (DHPP).

Em razão disso, o inquérito também foi prorrogado por mais 30 dias. Os policiais seguem presos no Batalhão de Choque, em Lauro de Freitas. São eles: o subtenente Cláudio Bonfim Borges, comandante da guarnição, e os soldados Jailson Gomes de Oliveira e Jesimiel da Silva Resende – todos lotados na Companhia de Rondas Especiais da Baía de Todos os Santos (Rondesp/BTS).

O CORREIO tentou nesta sexta (15) contato com os advogados dos PMs, mas eles não atenderam às ligações. Eles respondem a um Inquérito Policial Militar (IPM) instaurado na Corregedoria da Polícia Militar — que investiga a conduta dos policiais e pode culminar até com a expulsão da corporação — e também o inquérito aberto pela Polícia Civil, que apura o homicídio de Geovane.

No último dia 5, a Polícia Civil revelou o laudo sobre a morte de Geovane. Geovane, encontrado carbonizado e degolado, morreu com golpe de faca. “As lesões encontradas no corpo apontam para instrumento perfuro-cortante”, informou Figueiredo, que não detalhou se o rapaz foi degolado vivo.

A prisão dos policiais aconteceu no dia 13 de agosto, quando o CORREIO publicou uma reportagem mostrando o vídeo em que Geovane é colocado no porta-malas de uma viatura da Rondesp/BTS.

As imagens foram conseguidas pelo pai de Geovane, Jurandy Silva Santana, que investigou por conta própria o desaparecimento do filho.



Matéria original: Correio24h
Caso Geovane: Justiça determina que PMs fiquem presos por mais 30 dias