Salvador

Caso Kátia Vargas: processo volta ao relator para decidir se o júri será anulado

Júri popular, realizado em dezembro de 2017, absolveu a médica

Redação iBahia (redacao@portalibahia.com.br)

O processo do caso Kátia Vargas, cuja médica apresentou um recurso contra o anulamento do júri popular, voltará para o relator do caso no Tribunal de Justiça da Bahia (TJ-BA). O desembargador José Alfredo Cerqueira da Silva vai decidir que se mantém a decisão do júri ou não. As informações são do CORREIO.

Foto: Reprodução
A médica foi absolvida durante o júri popular que ocorreu em dezembro de 2017, porém os advogados de Marinúbia Gomes, mãe das vítimas, se manifestaram nos autos. Um julgamento do TJ-BA em agosto deste ano anulou a decisão do júri popular.

De acordo com a acusação, a decisão do júri popular de absolver a ré foi 'absurda' pois, em momento algum, a defesa da médica solicitou que esta decisão.

Segundo o CORREIO, nesta segunda-feira (19), a juíza Gelzi Maria Almeida Souza determinou que o processo retornasse para o relator do caso, o desembargador José Alfredo.

Ele deverá ouvir o posicionamento do Ministério Público sobre o assunto, analisará os argumentos, dará o parecer e irá marcar um julgamento Seção Criminal do TJ-BA, formada por 20 desembargadores. Não há prazos definidos para estes passos.


Anteriormente, o julgamento do tribunal foi realizado por três desembargadores, onde o relator e o revisor votaram a favor da anulação do júri. Apenas o desembargador Mário Alberto Hirs votou para que a decisão seja mantida.

Kátia Vargas foi acusada de matar os irmãos  Emanuel e Emanuelle, de 21 e 23 anos, em outubro de 2013, em Ondina, em um acidente de trânsito. A moto em que jovens estavam colidiu em poste após uma possível discussão com deles com a médica.